Pular para o conteúdo principal

TECENDO O BEM VIVER


II Assembleia dos Povos indígenas dos Estados de Goiás e Tocantins

Preparações finais da II Assembleia dos Povos Indígenas de Goiás e Tocantins. (foto: Egon Heck/CIMI.2013)
          O dia amanhece com encanto. Céu azul com algumas nuvens brancas, são prenuncio de um dia ensolarado, de festa, memória e luta. Palmas, a jovem capital está engalanada para o festejo de seus 24 anos.  Em 1989 era lançada a pedra fundamental em meio a uma região ainda marcada pela sua vegetação natural. Sonhos e impactos marcaram, desde então, o meio ambiente e a população que começou a ser atraída para a região.
        Para Palmas também estão se dirigindo aproximadamente 500 indígenas de 15 povos, para a realização da 2ª Assembleia dos Povos Indígenas dos Estados de Goiás e Tocantins. Com o tema “Tecendo o Bem Viver denunciamos e resistimos ao modelo de desenvolvimento que destrói nossos direitos e nossa Mãe Terra”.
        Esse será um dia memorável, de chegada com alegria e animação, após longa expectativa e preparação. Será dia de celebrar a pluralidade, a beleza das culturas, a resistência dos povos raiz, os nativos dessas terras.  Será um momento forte de alimentar os sonhos do Brasil plural, no aconchego da mãe terra, tecendo juntos o Bem Viver.
       No centro da cidade a movimentação em torno dos festejos do aniversário da jovem capital, enquanto na área verde da Universidade Federal do  Tocantins começam a chegar as primeiras delegações indígenas. Os Apinajé chegam do distante norte do Estado, trazendo muito entusiasmo, esperança e grito. Exigem respeito a seus direitos, seus territórios, a mãe terra, os as riquezas naturais e culturais, sua organização e luta conforme garantem os direitos na Constituição e normas e legislação internacionais.

Após a chegada; a pinturas das lideranças indígenas. (foto:
Antônio Veríssimo. 2013)
        Conforme Sara Sánchez, coordenadora do Regional GOTO, do Cimi, esse é um momento muito especial da luta, consciência e visibilidade dos povos indígenas na região.  Ela lembra os grandes desafios que esses povos enfrentam hoje “a monocultura da soja, arroz, eucalipto e agora até o plantio de seringueiras, ´´E a arrasadora expansão do agronegócio. As hidrelétricas, que acabam sendo impostas por um modelo de desenvolvimento comandado pelo grande capital e acelerado pelo governo, alagando e destruindo em grande profusão. Os índios estão vindo para dizer não à hidrelétrica de Serra Quebrada (no rio Tocantins) e Santa Isabel ( no Rio Araguaia) dentre outras. Vem para dizer não a todas essas grandes obras que trazem muita morte, destruição e sofrimento.”
         Mas eles vêm não apenas para denunciar, dizer que estão vivos e resistirão a todos os projetos de morte, mas vem dizer que querem contribuir com seus projetos de bem  viver para a construção de um Brasil plural, mais justo, respeitoso  de seus povos primeiros. E para isso vem se unir aos demais povos indígenas do Brasil e da América Latina e a todos aqueles que buscam a construção de outros modelos de sociedade, de política, de valores e de economia.

      Segundo Antônio Apinajé, que acaba de chegar com quase uma centena de representantes desse povo, espera que essa Assembleia  impulsione e fortaleça a organização e articulação dos povos indígena para fazer o enfrentamento coma as políticas equivocadas do governo e setores conservadores e do agronegócio, a partir das bases. Mas ressalta; “Essa conjuntura nos preocupa, nos tira o sono, mas não tira nossa vontade de lutar. Vamos fazer articulação com as Universidades, os camponeses, com os Quilombolas, com a sociedade civil organizada. Finalizou dizendo;  “nessa II Assembleia, vamos dar o nosso recado”. 
Levantando acampamento no pátio do Campus da UFT.
(foto: Laila Menezes/CIMI. 2013)
      Durante os próximos quatro dias, Palmas será o espaço de grandes debates do movimento indígena regional com a presença de representantes indígenas e indigenistas do país. Será feita uma análise de conjuntura a partir das aldeias até em nível nacional e internacional. Serão debatidos temas desafiadores da humanidade hoje, como  mudanças climáticas e REDD, Territórios, Indígenas: espaços ameaçados pelo agronegócio, o Bem Viver e a Mãe Terra, além das cruciais questões da saúde indígena, educação e sustentabilidade.
       Também serão elaborados e divulgados informações diárias do andamento da Assembleia e manifestações públicas e atividades culturais e celebrações diárias.
EgonHeck,
     Assessoria de comunicação da 2ª Assembleia dos Povos Indígenas de Goiás e Tocantins
Palmas, 20 de maio de 2013



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …