Pular para o conteúdo principal

POVOS TIMBIRA REALIZAM ENCONTRO HISTÓRICO NA TERRA INDÍGENA APINAJÉ.

Lideranças dos povos Timbira relatam situações das terras indígenas nos Estados de Tocantins e Maranhão. (foto:
Antônio Veríssimo. 2013)

      No período de 08 a 10 maio de 2013, realizamos na aldeia Irep-xi, localizada na terra indígena Apinajé no município de Tocantinópolis, norte do Tocantins um importante Encontro de Intercâmbio com participação de representantes dos povos Timbira dos Estados de Tocantins e Maranhão. Esse Encontro foi resultado de uma parceria entre a Fundação Nacional do Índio -FUNAI e suas Coordenações Técnica local/CTL de Tocantinópolis e Coordenação Regional Araguaia Tocantins/CRAT de Palmas (TO) e a Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ. O evento reuniu os caciques e lideranças Apinajé, diretores da Associação Wyty Cäte, representantes das organizações dos povos Apinajé, Krahô, Krikati, Gavião, Apaniekrá, Romkokamekrá e Krahô-Kanela, e os Coordenadores e técnicos da FUNAI/CRAT de Palmas (TO), FUNAI/CTLs de Tocantinópolis (TO), Carolina (MA), Imperatriz (MA) e Barra do Corda (MA), somando aproximadamente 100 participantes.
Intercâmbio e troca de experiencias entre os povos Timbira
de Tocantins e Maranhão. (foto: Antônio Veríssimo. 2013)
   No dia 08/05/2013, 1º dia da reunião, discutimos e definimos o nosso plano de trabalho para inicio da construção da Sede da Associação PEMPXÀ. A construção dessa estrutura faz parte de nosso Plano Permanente de Proteção Territorial da Área Apinajé, que foi elaborado em fevereiro de 2009, durante oficinas realizadas na aldeia Patizal. E durante a II Assembleia da PEMPXÀ realizada em setembro de 2011, também na aldeia Patizal, os caciques decidiram que essa Sede da organização seria construída na aldeia Irep-xi. A 1ª etapa prevê a construção da casa redonda para reuniões e um prédio para escritório. E na 2ª etapa serão erguidas um refeitório, os dormitórios e banheiros; formando assim o complexo sede da Associação PEMPXÀ. O inicio dos trabalhos estão previstos para o mês de junho de 2013.
      Além de Sede da Associação PEMPXÀ, poderá ser também um Centro de Estudos e Referencia da Cultura Apinajé. As nossas principais Celebrações, Rituais, Festas Culturais, Seminários, Encontros de Formação, Oficinas e Assembleias passarão a ser realizadas neste local. Todos os caciques e lideranças concordaram que devemos nos unir para construir juntos esta Sede de nossa organização. Na ocasião também cobramos da FUNAI compromissos e empenho do órgão oficial indigenista, no sentido da gestão por parte da mesma, junto ao consórcio CESTE, para imediata liberação dos recursos para inicio das obras.
Representantes do povo Krahô-Kanela,  presentes no
Encontro Timbira. (foto: Antônio Veríssimo. 2013)

    Podemos destacar outro caráter importante desse encontro realizada na terra indígena Apinajé, que são as visitas de intercâmbio para trocas de experiencias e informações entre os povos Apinajé, Krahô, Krikati, Gavião, Apaniekrá, Romkokamekrá e Krahô-Kanela. A principal preocupação dos caciques e lideranças é com o futuro de nossos territórios, que no momento estão sofrendo fortes pressões e ameaças das grandes empresas multinacionais, ou mesmo tempo sendo sistematicamente invadidos por madeireiros, caçadores, pescadores e outros invasores da própria região. Dessa forma nos últimos anos temos nos articulado no sentido de fortalecer nossas organizações, visando a elaboração e execução de um Plano Compartilhado de Proteção e Gestão Ambiental das Terras Timbira, localizadas nos Estados de Tocantins e Maranhão.
    Finalmente manifestamos e repudiamos as constantes ondas de ataques, ameaças e violências promovidas por políticos e empresas contra nossos direitos garantidos na Constituição Federal. Expressamos nosso apoio e solidariedade à FUNAI, ao MPF e a todos os aliados e defensores da causa indígenas, que também estão sendo alvo dessas graves violações dos direitos humanos.


Aldeia Irep-xi, Terra Indígena Apinajé, 10 de maio de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …