Pular para o conteúdo principal

SAÚDE INDÍGENA



TRATAR SEM MEDICAR, SEJA SEU PRÓPRIO DOUTOR, CUIDE SE

Na aldeia Areia Branca local da Oficina. (foto Antônio Veríssimo. Jan. 2014)
        Na última terça-feira, 21/01/14, foi realizada pela Equipe Multidisciplinar de Saúde do PBI de Tocantinópolis (TO), palestra sobre cuidados e medidas preventivas que devemos adotar em nosso dia-a-dia para evitar as doenças. Participaram das apresentações, Agentes Indígena de Saúde-AIS, Agente Indígena de Saneamento-AISAN, Técnicos (as) de Enfermagem, uma Cirurgiã Dentista e um Médico. A conversa aconteceu na aldeia Areia Branca a 18 km de Tocantinópolis (TO).
        O Dr. Angel Remígio do Programa Mais Médicos, recomendou práticas corretas de higiene pessoal que devemos seguir para melhorar a nossa saúde e qualidade de vida. Dr. Angel também orientou os pais e mães sobre atenção e cuidados com as crianças recém-nascidas; Uma vez que as precárias condições sanitárias de algumas aldeias deixam as crianças mais enfraquecidas e vulneráveis às doenças, como diarreias, vômitos, pneumonias, micoses e verminoses. Afirmou.
Na plenária; os participantes da palestra. (foto: Antônio 
Veríssimo. Jan. 2014)
        Os Técnicos (as) de enfermagem alertaram sobre os riscos e perigos das Doenças Sexualmente Transmissíveis-DST/AIDS; sugerindo que os jovens, devem se preocupar e se cuidar melhor, usando corretamente os dispositivos de prevenção para se proteger. Foram apresentados slides mostrando o aspecto de pessoas atacadas por doenças transmitidas por animais domésticos e silvestres. Os Enfermeiros (as) destacaram casos de doenças graves, como o calazar, que pode ser tratado e a raiva canina, que não tem cura.
        Avaliamos essas palestras como positivas. E isso pode ser um importante passo da SESAI/PBI, rumo a um atendimento de Saúde Indígena adequado, digno e humano. Essas ações baseadas no diálogo livre, direto e esclarecedor envolvendo os Profissionais da Saúde e as comunidades são métodos dinâmicos de caráter preventivo, pedagógico e transformador e devem continuar; envolvendo também, a Educação Escolar Indígena.


Jovens são orientados sobre prevenção de DST/AIDS. 
(foto: Antônio Veríssimo. Jan. 2014)
       No entanto o Estado Brasileiro deve também fazer um esforço político no sentido de efetivar a implantação de estruturas de Saneamento Básico; ações indispensáveis para prevenção de doenças. Atualmente 70% das aldeias Apinajé não dispõem de Sistemas de Abastecimentos de Água.  E em 90% dessas comunidades não existem banheiros e esgoto sanitário.  Além desses indicadores negativos, a cada dia estamos sendo afetados gradativamente por lixos químicos e resíduos sólidos, que estão contaminando nosso solo, ar e água.   
       Atualmente, nossos jovens estão sendo induzidos pela mídia a consumir cada vez mais produtos cultivados com venenos e industrializados com conservantes químicos. Todavia não temos nenhuma política séria de Governo que garanta o apoio a nossa agricultura tradicional; agroecológica e orgânica. Entendemos que qualquer discussão sobre saúde deve se incluir também a questão da alimentação. As diferenças culturais não podem ser usadas como pretexto para discriminar e abandonar as minorias indígenas do Brasil.
       
Terra Indígena Apinajé, 23 de janeiro de 2013.



Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…