Pular para o conteúdo principal

POLÍTICAS PÚBLICAS

DERTINS SE COMPROMETE RECUPERAR EM CARÁTER EMERGENCIAL ESTRADAS DE ACESSO ÀS ALDEIAS APINAJÉ, E RODOVIAS TO 126 E 210 SÃO DESBLOQUEADAS
Protestos na Rodovia TO 210. (foto: Antônio Veríssimo. Março de 2015)
     Depois de três dias de protestos nas rodovias TO 126 e 210, pela melhoria das vicinais internas da área Apinajé, ontem dia 25/03/2015, ocorreram duas reuniões com o Eng. chefe do DERTINS em Tocantinópolis, senhor Adauto Matsuo. No período da manhã estivemos reunidos na TO 126 próximo à aldeia Mariazinha. À tarde a reunião aconteceu na TO 210, trevo da BR 230 próximo à aldeia Prata. Além do Eng. chefe do DERTINS, senhor Adauto Matsuo; o coordenador da FUNAI/CTL, Bruno Aluísio Braga também participou da reunião. 
     Nas duas reuniões os caciques se manifestaram sobre a situação que levou ao protesto, e pediram urgência do chefe do DERTINS, na recuperação emergencial dos trechos mais críticos das estradas vicinais, visando o retorno das crianças às aulas.
      O Eng. chefe do DERTINS senhor Adauto Matsuo se comprometeu realizar em caráter emergencial os trechos que os caciques apontarem como mais urgentes, e  pediu um plano de trabalho aos mesmos. 
     Ontem no final da tarde as rodovias TO 126 e 210 foram desbloqueadas e uma caçamba do DERTINS que havia sido detida no protesto da TO 126, foi entregue ao órgão.
   Hoje, 26/03/15, pela manhã foi entregue um Plano de Trabalho ao Eng. chefe do DERTINS elaborado pelas lideranças, e na ocasião também foi assinado um Termo de Compromisso entre as partícipes das negociações; Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, DERTINS e FUNAI.
      Ficou também acertado a participação de todos da Audiência Pública que será realizada no próximo dia 16/04/2015 na sede da PR/MPF-AGA na cidade de Araguaína, Estado do Tocantins, para tratar do mesmo assunto e debater as competências e responsabilidades dos órgãos públicos envolvidos com relação as estradas vicinais de acesso às aldeias.

Terra Indígena Apinajé, 26 de março de 2015

Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…