Pular para o conteúdo principal

ORGANIZAÇÃO INDÍGENA

DURANTE A VI ASSEMBLEIA DA PEMPXÀ: POVO APINAJÉ DEBATE O PROJETO MATOPIBA
Plenária da VI Assembleia  da Pempxà na aldeia Irepxi. (foto: Vanderlei Sotero Apinagé. Set. de 2015
         Proteção e defesa do território Apinajé, grandes projetos, saúde, educação e o fortalecimento institucional da Associação Pempxà, esses foram alguns dos assuntos discutidos na VI Assembleia Ordinária da Associação União das Aldeias Apinajé, que foi realizada no período de 17 a 21 de setembro de 2015, na aldeia Irepxi, no município de Tocantinópolis (TO). Ao menos 150 pessoas entre caciques, lideranças, professores, estudantes, anciãos e conselheiros Apinajé participaram do evento.
O presidente Ercílio  R. Dias Apinagé, na abertura da assembleia. (foto:
Vanderlei Sotero Apinagé. Set. de 2015
       De parte dos órgãos públicos comparecera o senhor Bruno Aloísio Braga Fragoso representando a FUNAI/CTL de Tocantinópolis (TO), Alexandre Conde e Alan Apinagé que vieram acompanhados por dois Esquadrões do Prev Fogo; representado o IBAMA. Presentes também os representantes da Pastoral Indigenista, Conselho Indigenista Missionário CIMI, vinculada à CNBB, da Associação Wyty Catë das Comunidades Timbira do Maranhão e Tocantins, da UFT e outras. Na ocasião foram discutidos sobre os assuntos internos do povo Apinajé e também tratados dos problemas e questões externas que ameaçam as comunidades e o território indígena.
          Nos dias 17 e 18/15 os caciques e lideranças debateram e fizeram encaminhamentos sobre o PBA Timbira e os projetos de 2015/16 que estão sendo implantados nas aldeias. Os caciques trataram sobre os problemas e impactos sociais, ambientais e culturais causados pelo desmatamento do cerrado no entorno da área Apinajé. O problema das queimadas e as invasões de intrusos não-índios nas aldeias também foi amplamente discutido pelos caciques.
       Os caciques trataram e analisaram ainda a proposta do Projeto MATOPIBA e condenaram o plano de implantação dessas “Agencia de Desenvolvimento” na região. De acordo com Sebastião Moreira do Conselho Indigenista Missionário-CIMI, “o MATOPIBA é uma Grande Plataforma formado por vários projetos de infraestrutura de transporte, comunicação, energia, agricultura e turismo”. O Programa prevê muitos incentivos fiscais para pessoas e empresas que queiram se estabelecer e empreender na região. Especialmente os plantadores de soja, cana, eucaliptos, algodão e milho.
         O Programa abrange; mais de 73 milhões de hectares. E atingirá 5,9 milhões de pessoas e 35% da área rural de 337 municípios dos quatro Estados; Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. O MATOPIBA causará impactos em 46 unidades de conservação, 35 terras indígenas, 745 assentamentos da reforma agrária e 36 territórios quilombolas. Especialmente a população mais empobrecida dessa região será a mais prejudicada.
      Da forma como está sendo proposto o Programa MATOPIBA ameaça diretamente o Bioma Cerrado e entra em conflito direto com os interesses das populações tradicionais; camponeses, quilombolas e povos indígenas dos quatro Estados onde vai ser implantado. Assim o polêmico Programa ameaça o meio ambiente, agravará e potencializará os conflitos fundiários e territoriais; provocando a falta de alimentos, a falta d’água, o desemprego e o crescimento das favelas nas cidades de Imperatriz (MA), Balsas (MA), Araguaína (TO), Araguatins (TO), Porto Nacional (TO), Gurupi (TO) e outras.
       As lideranças manifestaram preocupação ainda com as invasões de não-índios, que adentram diariamente o território buscando explorar madeiras, caças, peixes, frutas e arrendamentos. Os problemas da venda e disseminação de bebidas alcoólicas nas aldeias por índios e não-índios também foi denunciado.Os caciques reclamaram do sucateamento e da falta de viaturas para atender a saúde indígena. O presidente do Conselho Local de Saúde Apinajé-CLOSIAP, Osvaldo Pẽpkôb Apinagé reconheceu que somente (01) uma viatura existente no PBI de Tocantinópolis (TO) é insuficiente pata atender as 34 aldeias.
         O problema da falta de manutenção das estradas vicinais internas das aldeias mereceu destaque especial. Todos reclamaram das dificuldades do DERTINS, das Prefeituras de Tocantinópolis e Maurilândia e da FUNAI de atender e efetivar essa demanda das aldeias. No final os caciques resolveram elaborar e encaminhar um ofício ao chefe do DERTINS em Palmas (TO), senhor Gilvamar Moreira de Sousa solicitando a manutenção e recuperação de importantes vicinais de acesso às aldeias. E não descartaram as possibilidades de realizarmos novas mobilizações nos próximos meses.
         Finalmente elaboramos e encaminhamos um documento público que comunica à sociedade a não participação do povo Apinajé, dos Jogos Mundiais Indígenas. No documento declaramos total apoio à decisão do povo Krahô de não participarem dos JMI e censuramos a atitude de outras etnias que estão apoiando e irão participar de um evento midiático e apoiado pela Ministra da Agricultura Kátia Abreu uma inimiga confessa dos povos indígenas. No entanto respeitamos a decisão de cada uma das etnias que decidiram participar.

Terra Apinajé, 28 de setembro de 2015

Associação União das Aldeias Apinajé-Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…