Pular para o conteúdo principal

POLÍTICA

ELEIÇÕES 2016: AINDA NÃO FOI DESTA VEZ

Davi Wamimen Apinagé, 1º suplente na Câmara Municipal de Tocantinópolis. (foto: Arquivo Pempxà. Set. 2014)

     Este ano estávamos na expectativa que pelo menos um (01) dos quatro (04) indígenas que se candidataram ao cargo de Vereador na Câmara Municipal de Tocantinópolis seria eleito. No último dia 02/10/16 às 20h30mim após a divulgação do resultado das eleições 2016 pelo TRE nossas esperanças se transformaram em decepção. 
       Nessas eleições os votos dos eleitores Apinajé eram suficientes para eleger dois candidatos com folga. Infelizmente nenhum dos (04) quatro indígenas conseguiu se eleger e os 688 votos válidos ficaram assim distribuídos; Davi Wamimen C. Apinagé do PR 416 votos, Orlando Salvador Apinagé do PHS 101 votos, Silivan Oliveira Apinagé do PR 91 votos, e Emílio Dias do PMN 80 votos. Desses quem teve maiores chances de se eleger foi Davi Wamimen C. Apinagé, com 416 votos ficou na condição de 1º suplente de Vereador. 
        Tal resultado confirmou mais uma vez que não estamos preparados e nem organizados o suficiente para fazer frente e combater as armadilhas e perversidades da política local. As nossas tentativas de articular as lideranças para lançar só (02) dois candidatos indígenas não valeram de nada. Entretanto as práticas abusivas do poder econômico e a intervenção política dos “coronéis” donos de Tocantinópolis falaram mais forte. 
        Sem dúvida esse saldo foi benéfico para Paulinho do Bonifácio o “novo” prefeito eleito desta cidade, cujo grupo político sempre usou de má-fé, tapeando e alienando as lideranças Apinajé com a finalidade de assegurar votos nas aldeias. Há muitos anos a estratégia é sempre a mesma; “dividir para enfraquecer”. “usar e descartar”. Nessas circunstâncias esse resultado já era previsto. 
        Analisando a conjuntura da política local, percebemos que é sempre pensada, calculada e planejada para colocar os (candidatos) Apinajé dentro do Processo Eleitoral, mas fora do Parlamento Municipal. O resultado do último dia 02/10 confirmou isso. Agora só nos resta lamentar (mais uma vez) a derrota política e procurar amenizar o prejuízo moral. E de nada adiantará agente ficar procurando culpados, nesse momento é mais sensato fazermos uma avaliação crítica desse conturbado processo político, no sentido de reparar e corrigir nossos próprios erros. 
        Mas, independente de quem foi eleito para Prefeitura Municipal de Tocantinópolis, é bem provável que passaremos novamente mais (04) quatro anos sendo oprimidos e humilhados, e tendo nossos direitos básicos de cidadãos negados e negligenciados pela “nova” gestão do município; e o pior, sem a presença da voz indígena no Poder Legislativo Municipal para nos defender e representar. Essa situação é extremante difícil e desconfortável para o povo Apinajé. 
       Entendemos que na condição de 1º suplente existe a real chance do Davi Wamimen C. Apinagé assumir o mandato no caso do afastamento de algum Vereador para ocupar cargos em alguma secretaria da Prefeitura Municipal. Essa é uma possibilidade que não podemos descartar. No entanto cabe ao prefeito eleito Paulinho do Bonifácio fazer esse arranjo na hora de organizar sua equipe. Considerando a expressiva votação manifestada pelo povo na expectativa de eleger o Davi, faz jus que o mesmo tenha mais essa oportunidade. Vamos acompanhar e aguardar. 
       Existem ainda (02) dois Apinajé que concorreram ao cargo de Vereador no vizinho município de Maurilândia, o Firmino Apinajé do PR teve 45 votos e Edvaldo Ribeiro Apinagé que se candidatou pelo PMDB, e teve 14 votos, ambos não foram eleitos.


 “Aprenda como se fosse viver para sempre. Viva como se fosse morrer amanhã

Mahatma Gandhi



 Terra Indígena Apinajé, 04 de outubro de 2016

Associação União das Aldeias Apinajé-Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…