Pular para o conteúdo principal

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia
Representantes da Articulação Tocantinense de Agroecologia e lideranças Apinajé  reunidos na aldeia Brejinho. (foto: Selma Yuki/APA-TO. Março de 2017)
     Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.
       Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017
       Selma Yuki, representante da Alternativa para Pequena Agricultura do Tocantins  APA - TO, lembrou que a realização do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia na T.I. Apinajé fortalecerá ainda mais a luta comum dos camponeses, trabalhadores rurais, quebradeiras de coco, quilombolas e indígenas do Norte de Tocantins para produção de alimentos com base agroecológica, guarda e conservação das sementes crioulas e proteção do Bioma Cerrado e dos territórios desses povos, além de reafirmar a agroecologia como matriz tecnológica  para agricultura de nosso país e do Tocantins.
Participantes da reunião na aldeia Brejinho. (foto: João Palmeiras. APA-TO. Março de 2017)

      Até novembro, mês do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia serão realizadas uma série de outras reuniões de lideranças da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na T.I. Apinajé. A próxima será dia 23 de maio do corrente na aldeia Patizal, comunidade escolhida para sediar o 3º Encontro. Na ocasião continuaremos conversando e dando os encaminhamentos necessários para realização do evento.
     A previsão é que mais de 250 lideranças vindas de assentamentos, quilombos, comunidades indígenas participarão das plenárias onde estaremos debatendo novas estratégias de enfrentamento ao PDA/Matopiba e como assegurar o cumprimento das leis e garantir a regularização dos territórios indígenas e quilombolas ameaçados pela violência do Agro.
     No 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia serão realizadas ainda oficinas práticas de agroecologia, visitas de intercâmbios em outras aldeias, troca de sementes e atividades interculturais pensadas com a finalidade de propiciar a transmissão de conhecimentos, práticas e idéias que permitam nossas comunidades manterem o Bem Viver e resistir o avanço e a violência do agronegócio.
    A cacique Maria Almeida Apinagé, da aldeia Brejinho, manifestou sua alegria e agradeceu à todos pela decisão de realizarmos o 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia,  na T.I. Apinajé e afirmou que nosso povo estaremos sempre disponíveis e prontos para receber todos os amigos e parceiros de lutas neste e outros encontros.

Terra Indígena Apinajé, 28 de março de 2017


Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…