Pular para o conteúdo principal

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia
Representantes da Articulação Tocantinense de Agroecologia e lideranças Apinajé  reunidos na aldeia Brejinho. (foto: Selma Yuki/APA-TO. Março de 2017)
     Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.
       Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017
       Selma Yuki, representante da Alternativa para Pequena Agricultura do Tocantins  APA - TO, lembrou que a realização do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia na T.I. Apinajé fortalecerá ainda mais a luta comum dos camponeses, trabalhadores rurais, quebradeiras de coco, quilombolas e indígenas do Norte de Tocantins para produção de alimentos com base agroecológica, guarda e conservação das sementes crioulas e proteção do Bioma Cerrado e dos territórios desses povos, além de reafirmar a agroecologia como matriz tecnológica  para agricultura de nosso país e do Tocantins.
Participantes da reunião na aldeia Brejinho. (foto: João Palmeiras. APA-TO. Março de 2017)

      Até novembro, mês do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia serão realizadas uma série de outras reuniões de lideranças da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na T.I. Apinajé. A próxima será dia 23 de maio do corrente na aldeia Patizal, comunidade escolhida para sediar o 3º Encontro. Na ocasião continuaremos conversando e dando os encaminhamentos necessários para realização do evento.
     A previsão é que mais de 250 lideranças vindas de assentamentos, quilombos, comunidades indígenas participarão das plenárias onde estaremos debatendo novas estratégias de enfrentamento ao PDA/Matopiba e como assegurar o cumprimento das leis e garantir a regularização dos territórios indígenas e quilombolas ameaçados pela violência do Agro.
     No 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia serão realizadas ainda oficinas práticas de agroecologia, visitas de intercâmbios em outras aldeias, troca de sementes e atividades interculturais pensadas com a finalidade de propiciar a transmissão de conhecimentos, práticas e idéias que permitam nossas comunidades manterem o Bem Viver e resistir o avanço e a violência do agronegócio.
    A cacique Maria Almeida Apinagé, da aldeia Brejinho, manifestou sua alegria e agradeceu à todos pela decisão de realizarmos o 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia,  na T.I. Apinajé e afirmou que nosso povo estaremos sempre disponíveis e prontos para receber todos os amigos e parceiros de lutas neste e outros encontros.

Terra Indígena Apinajé, 28 de março de 2017


Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…