Pular para o conteúdo principal

A DESTRUIÇÃO DO CERRADO E A (FUTURA) CRISE DO SETOR ELÉTRICO



A DESTRUIÇÃO DO CERRADO E A (FUTURA) CRISE DO SETOR ELÉTRICO

    Esta semana o ministro das Minas e Energia Edson Lobão, apareceu várias vezes nos veículos da imprensa para explicar a “crise” no setor elétrico, especialmente a geração de energia, que estaria sendo afetada pela falta de chuvas e o baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas, localizadas nas regiões sudeste e centro–oeste. Em entrevista no telejornal Bom Dia Brasil da rede Globo, o ministro explicou que não vai haver racionamento de energia, pois algumas termoelétricas estão sendo ligadas. E descartou os riscos de “apagão”
      O ministro Lobão, explicou também que está havendo atrasos na conclusão de algumas hidrelétricas que estão sendo construídas , e citou: Santo Antônio e Girau em Rondônia e Belo Monte no Pará. E culpou as decisões judiciais e “questões indígenas” pela demora na conclusão das referidas obras.
      Ao falar das “questões indígenas”, o ministro das Minas e Energia Edson Lobão, tocou num dos pontos chave para explicar as alterações que estão ocorrendo no regime de chuvas no Brasil. Esses fenômenos da natureza que “foge do controle” do homem e que estão afetando não só o setor elétrico, mas também a agricultura, infraestrutura urbana, meio ambiente e a saúde é uma realidade. Será mesmo as mudanças climáticas? Ou uma brincadeira da natureza? Por que isso está acontecendo? Quem são os principais responsáveis pelo desmatamento e destruição bioma cerrado e Amazônia? Com certeza não somos nós os povos indígenas.      Nesse sentido sempre estamos questionando, a não demarcações de terras indígenas, a construção de hidrelétricas os desmatamentos no entorno das áreas indígenas e quilombolas, o avanço desenfreado e sem “controle” das monoculturas de eucaliptos, cana e soja, a degradação das nascentes e cabeceiras dos rios, o envenenamento do solo e a destruição da biodiversidade
     Entendemos, que antes de pensar e construir novas hidrelétricas o governo federal deve implementar na prática uma política séria e responsável de proteção do bioma cerrado, nos estados de Minas Gerais, Goiás. Tocantins, Mato Grosso Pará e Maranhão onde estão as nascentes, cabeceiras e formadores dos rios São Francisco, Parnaíba, Tocantins, Araguaia Rio das Mortes Itacaiunas e Xingú, por que sem responsabilidade ambiental e social as coisas vão continuar dando “errado” e o governo sempre vai jogar a culpa nas “questões indígenas”, no MPF e no Judiciário.

                               Terra indígena Apinajé, 11 de Janeiro de 2013.

Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …