Pular para o conteúdo principal

CULTURA

I ENCONTRO DE PAGÉS (WAYAKÁS)
Abertura do Encontro de Pagés na aldeia Prata (Pyka Mex). (foto: Antônio Veríssimo. Junho de 2014).
       No período de 12 a 14 de junho de 2014, aconteceu na aldeia Prata (Pyka Mex), na Terra Indígena Apinajé, no Município de Tocantinópolis (TO), o I Encontro de Pagés (Wayakás). O evento foi realizado pela Associação Pyka Mex e teve a participação de representantes dos povos Apinajé, Krahô, Krikati, Gavião, Xerente e Kayapó e contou com o apoio institucional da Fundação Nacional do Índio-FUNAI, da Universidade Federal do Tocantins-UFT e da Prefeitura Municipal de Tocantinópolis. O Centro de Trabalho Indigenista- CTI e a Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ também apoiaram o Encontro.
       Na quinta-feira dia 12/06 pela manhã, na abertura oficial do evento, o cacique Elias Salvador Apinajé e o coordenador do Encontro, Samuel Xerente depois de agradeceram a presença dos Pagés, caciques e lideranças indígenas, dos Professores e Estudantes da Universidade Federal do Tocantins-UFT e dos Coordenadores da FUNAI local, deram inicio os debates observando a importância do Encontro para as lutas e resistência dos povos indígenas.
Apresentações de remédios tradicionais. (foto: Antônio Veríssimo. Junho
de 2014).
     Em seus depoimentos os Pagés, caciques e lideranças manifestaram interesses em resguardar e fortalecer os Conhecimentos e Saberes Tradicionais essenciais para continuidade das tradições e para manutenção das relações de respeito e convivência equilibrada com a natureza. Os Pagés também se expressaram em defesa do patrimônio ambiental e da biodiversidade existente nas terras indígenas e enfatizaram a urgente necessidade da proteção e garantia desses territórios localizados em regiões de cerrado e florestas nos Estados do Tocantins, Maranhão e Pará, que estão sendo fortemente prejudicadas e ameaçadas pelas empresas madeireiras, plantações de eucaliptos, carvoarias e pecuária.
    Os participantes criticaram a ausência de uma política de Estado que dê o devido reconhecimento e amparo legal às atividades dos Pagés e Parteiras, esses que são considerados autênticos Guardiões e Mestres dos Saberes e Conhecimentos Tradicionais Indígenas. As lideranças afirmaram que a escola deve efetivamente ser um espaço de transmissão dos saberes e conhecimentos tradicionais e que o Governo Federal por meio do Ministério da Saúde, SESAI e os DSEIs também devem apoiar e valorizar mais o uso da medicina indígena.
Pintura dos participantes do Encontro. (foto: Antônio
Veríssimo. Junho de 2014).
    No dia 13/06 de 2014 os Pagés apresentaram as raízes, cascas, sementes e folhas de plantas que são remédios receitados para curar as doenças dos índios que a medicina dos Kupẽ não vê e não conhece. No período da tarde foram realizadas atividades de campo em áreas de cerrado próximo à aldeia Prata (Pyka Mex), visando mostrar como são coletados esses remédios que fazem parte de nossa Farmácia Viva e Natural. Durante os três dias todos esses medicamentos foram colocados em exposição para apreciação dos participantes do Encontro.
      Ainda no dia 13/06, no período da noite o Prof. André Demarchi da Universidade Federal do Tocantins-UFT e Bepunu Kayapó, cineasta e pesquisador do Museu paraense Emílio Goeldi, apresentaram o Documentário: Meôk (Nossa Pintura), que mostrou como é realizada essa importante tradição da pintura dos Mebengôkre- Kayapó do Sul do Pará.
    Em 14/06 ao meio dia aconteceu o encerramento do I Encontro dos Pagés (Waiakás). O próximo Encontro será realizado novamente na aldeia Prata (Pyka Mex), em data ainda a ser confirmada.

Terra Indígena Apinajé, 16 de junho de 2014.

Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…