Pular para o conteúdo principal

AWÁ

COP21: INCÊNDIO NA AMAZÔNIA DESTRÓI FLORESTA ÚNICA E AMEAÇA TRIBO ISOLADA
O fogo ameaça destruir completamente a floresta dos Awá isolados (foto de arquivo).
O fogo ameaça destruir completamente a floresta dos Awá isolados (foto de arquivo).
© Survival International
    Incêndios florestais estão se espalhando pela Amazônia Brasileira, destruindo vastas áreas nas margens leste dos “pulmões do planeta”. A eclosão do fogo coincide com o início da conferência global de meio ambiente COP 21 em Paris e ameaça um dos últimos povos isolados do planeta.
    Os incêndios, ao que tudo indica, estão sendo iniciados por madeireiros ilegais, em represália aos esforços de povos indígenas para defender seu território e manter invasores fora. Eles ameaçam uma das poucas áreas remanescentes da pré-Amazônia no Brasil, o último ambiente desse tipo no mundo.
    Esta floresta é o lar da tribo Awá, uma das sociedades mais vulneráveis do planeta. Os Awá dependem completamente da terra para a sua sobrevivência.
    Os Awá e outros povos indígenas ao redor do mundo estão a frente da luta contra as alterações climáticas e a destruição dos ambientes naturais em que eles vivem. Eles são os melhores guardiões de suas florestas, e a maneira mais barata e rápida para conservar a Amazônia é respeitando seus direitos à terra.
    Tatuxa’a, um representante Awá disse para a organização CIMI: "Hoje eu estava na mata, chegando em torno tinha muita poeira e fogo… Tem fogo em todo os lugares e ele está muito perto da nossa comunidade…Precisamos que o governo nos ajude… Sozinhos não podemos apagar por que são muitos!
    “A floresta tem riqueza, tem frutos…e está sendo destruída! Nosso riacho está secando também. Onde vamos caçar? Onde vamos pegar o mel? Eu estou triste agora, estou preocupado.”
Muitos Awá vivem isolados e são extremamente vulneráveis a doenças e outras ameaças trazidas por invasores.
Muitos Awá vivem isolados e são extremamente vulneráveis a doenças e outras ameaças trazidas por invasores.
© Fiona Watson/Survival
    Cerca de 100 Awá são isolados: eles vivem sem contato com o resto da sociedade. Eles podem ser aniquilados se os incêndios não forem apagados, mas as autoridades brasileiras até agora não tomaram medidas eficazes, abandonando os Awá e tribos vizinhas para combaterem os incêndios sozinhos. Ano passado, a campanha global da Survival pressionou o Ministro da Justiça a mandar centenas de agentes ao território central dos Awá para expulsar madeireiros ilegais. Mas agora a terra Awá não está sendo devidamente protegida e os madeireiros estão retornando.
    Em Outubro, incêndios destruíram quase metade de um território indígena vizinho, conhecido como Araribóia, onde também vivem Awá isolados. Não se sabe se os dois incidentes estão relacionados ou se eles indicam que os madeireiros estão adotando uma nova estratégia para reivindicar terras de povos indígenas.
    Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, está pedindo ao governo brasileiro que apague o incêndio, proteja a terra dos Awá e salve-os da extinção. Enquanto líderes mundiais se reúnem em Paris para a COP21, é vital que a mídia não ignore as catástrofes ecológicas acontecendo agora que afetam umas das sociedades mais vulneráveis da Terra.

    O diretor da Survival International, Stephen Corry disse: “A eclosão desse incêndio demonstra a importância de uma voz indígena mais forte na COP21. Enquanto líderes de países industrializados estão em Paris, as tribos enfrentam as verdadeiras consequências da destruição ambiental. A menos que mais seja feito para proteger as florestas dos Awá de madeireiros incendiários, um dos povos mais ameaçados do planeta e o ambiente que eles conservaram com sucesso por gerações serão destruídos.”

Fonte: Survival Internacional

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…