Pular para o conteúdo principal

AWÁ

COP21: INCÊNDIO NA AMAZÔNIA DESTRÓI FLORESTA ÚNICA E AMEAÇA TRIBO ISOLADA
O fogo ameaça destruir completamente a floresta dos Awá isolados (foto de arquivo).
O fogo ameaça destruir completamente a floresta dos Awá isolados (foto de arquivo).
© Survival International
    Incêndios florestais estão se espalhando pela Amazônia Brasileira, destruindo vastas áreas nas margens leste dos “pulmões do planeta”. A eclosão do fogo coincide com o início da conferência global de meio ambiente COP 21 em Paris e ameaça um dos últimos povos isolados do planeta.
    Os incêndios, ao que tudo indica, estão sendo iniciados por madeireiros ilegais, em represália aos esforços de povos indígenas para defender seu território e manter invasores fora. Eles ameaçam uma das poucas áreas remanescentes da pré-Amazônia no Brasil, o último ambiente desse tipo no mundo.
    Esta floresta é o lar da tribo Awá, uma das sociedades mais vulneráveis do planeta. Os Awá dependem completamente da terra para a sua sobrevivência.
    Os Awá e outros povos indígenas ao redor do mundo estão a frente da luta contra as alterações climáticas e a destruição dos ambientes naturais em que eles vivem. Eles são os melhores guardiões de suas florestas, e a maneira mais barata e rápida para conservar a Amazônia é respeitando seus direitos à terra.
    Tatuxa’a, um representante Awá disse para a organização CIMI: "Hoje eu estava na mata, chegando em torno tinha muita poeira e fogo… Tem fogo em todo os lugares e ele está muito perto da nossa comunidade…Precisamos que o governo nos ajude… Sozinhos não podemos apagar por que são muitos!
    “A floresta tem riqueza, tem frutos…e está sendo destruída! Nosso riacho está secando também. Onde vamos caçar? Onde vamos pegar o mel? Eu estou triste agora, estou preocupado.”
Muitos Awá vivem isolados e são extremamente vulneráveis a doenças e outras ameaças trazidas por invasores.
Muitos Awá vivem isolados e são extremamente vulneráveis a doenças e outras ameaças trazidas por invasores.
© Fiona Watson/Survival
    Cerca de 100 Awá são isolados: eles vivem sem contato com o resto da sociedade. Eles podem ser aniquilados se os incêndios não forem apagados, mas as autoridades brasileiras até agora não tomaram medidas eficazes, abandonando os Awá e tribos vizinhas para combaterem os incêndios sozinhos. Ano passado, a campanha global da Survival pressionou o Ministro da Justiça a mandar centenas de agentes ao território central dos Awá para expulsar madeireiros ilegais. Mas agora a terra Awá não está sendo devidamente protegida e os madeireiros estão retornando.
    Em Outubro, incêndios destruíram quase metade de um território indígena vizinho, conhecido como Araribóia, onde também vivem Awá isolados. Não se sabe se os dois incidentes estão relacionados ou se eles indicam que os madeireiros estão adotando uma nova estratégia para reivindicar terras de povos indígenas.
    Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, está pedindo ao governo brasileiro que apague o incêndio, proteja a terra dos Awá e salve-os da extinção. Enquanto líderes mundiais se reúnem em Paris para a COP21, é vital que a mídia não ignore as catástrofes ecológicas acontecendo agora que afetam umas das sociedades mais vulneráveis da Terra.

    O diretor da Survival International, Stephen Corry disse: “A eclosão desse incêndio demonstra a importância de uma voz indígena mais forte na COP21. Enquanto líderes de países industrializados estão em Paris, as tribos enfrentam as verdadeiras consequências da destruição ambiental. A menos que mais seja feito para proteger as florestas dos Awá de madeireiros incendiários, um dos povos mais ameaçados do planeta e o ambiente que eles conservaram com sucesso por gerações serão destruídos.”

Fonte: Survival Internacional

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…