Pular para o conteúdo principal

CERRADO

FUNAI E MMA CONCLUEM O CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO EM PNGATI CERRADO - Brasília (DF), 13 a 17/06/2016
*Srewe Brito Xerente
Plenária do Curso realizado nos 13 a 17/06/16, em Brasília (DF). (foto: Antonio Veríssimo. Junho de 2016)
       Com inicio em 22 de junho de 2015, foi finalizado dia 17 de junho de 2016. O curso foi distribuído em 5 Módulos. Cerca de 40 cursistas dos Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Minas Gerais e Maranhão participaram. O curso foi voltado para indígenas e não indígenas gestores públicos do cerrado.
O objetivo do Curso foi melhorar a compreensão sobre o que é a PNGATI, seus objetivos, diretrizes e eixos. “Com o Curso, tanto servidores públicos, quanto indígenas e sociedade civil passaram a compreender melhor os desafios inerentes à gestão ambiental em Terras Indígenas. Agora, poderão contribuir na implementação da política, fornecendo oportunidades de diálogo, reflexão, construção e proposição conjunta de ações”, explica o analista ambiental Rodrigo Medeiros, do Departamento de Extrativismo do MMA.
         O curso conta com o apoio do Projeto GATI (Gestão Ambiental e Territorial Indígena), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF).
Cursistas dos povos Gavião (MA) e Bakairi (MT) em Trabalhos de Grupo. 
(foto: Antonio Veríssimo. Junho de 2016)

      A metodologia alternada teve um conjunto limitado de dinâmicas e recursos formativos, como exposições dialogadas em painéis, trabalhos e dinâmicas em grupo a partir de perguntas orientadoras, debates em plenária, exibição e debate de audiovisuais, conforme os conteúdos programáticos e cronogramas onde no final do curso foram apresentadas Trabalhos de Conclusão do Curso - TCC. O curso contou com expositores mestres indígenas e não indígenas enriquecendo mais o aprendizado. Para o Srêwĕ Xerente, coordenador da MOPIC, o Curso de Formação em PNGATI Cerrado despertou a reflexão de que o bioma é muito importante para o Brasil e para o mundo, com mais de 13 mil espécies nativas corre sério risco em degradação e extinção do bioma com avanços do agronegócio. A caixa d’agua do Brasil esta em risco de secar e assim matar as vidas existentes no Bioma Cerrado. Conclui. Srêwĕ também é presidente da Articulação dos Povos Indígenas do Tocantins – ArPIT. Indígenas do Tocantins, membros dos povos: Apinaje, Karajá e Xerente participaram do curso. Também, servidores da Funai/TO, da UFT e do NATURATINS cursaram o formar PNGATI. Todos os cursistas receberão o Certificado que será emitida pela UNB- Universidade de Brasília.
       A Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI) foi instituída pelo Decreto presidencial nº 7.747/2012, após cerca de três anos de construção, num amplo processo de consulta e diálogo com o movimento indígena. Tem como meta promover e garantir a proteção, recuperação, conservação e o uso sustentável dos recursos naturais nos territórios indígenas.
      Além disso, a iniciativa visa a melhoria da qualidade de vida dos indígenas com condições plenas para a reprodução física e cultural das atuais e futuras gerações, garantindo a integridade do patrimônio material e imaterial desses povos.


           Informações complementares estão disponíveis: site: www.funai.gov.br  e www.mma.gov.br

* Presidente da Articulação dos Povos Indígenas de Tocantins - ArPIT e coordenador do Mobilização dos Povos do Cerrado - MOPIC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…