Pular para o conteúdo principal

CERRADO

FUNAI E MMA CONCLUEM O CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO EM PNGATI CERRADO - Brasília (DF), 13 a 17/06/2016
*Srewe Brito Xerente
Plenária do Curso realizado nos 13 a 17/06/16, em Brasília (DF). (foto: Antonio Veríssimo. Junho de 2016)
       Com inicio em 22 de junho de 2015, foi finalizado dia 17 de junho de 2016. O curso foi distribuído em 5 Módulos. Cerca de 40 cursistas dos Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Minas Gerais e Maranhão participaram. O curso foi voltado para indígenas e não indígenas gestores públicos do cerrado.
O objetivo do Curso foi melhorar a compreensão sobre o que é a PNGATI, seus objetivos, diretrizes e eixos. “Com o Curso, tanto servidores públicos, quanto indígenas e sociedade civil passaram a compreender melhor os desafios inerentes à gestão ambiental em Terras Indígenas. Agora, poderão contribuir na implementação da política, fornecendo oportunidades de diálogo, reflexão, construção e proposição conjunta de ações”, explica o analista ambiental Rodrigo Medeiros, do Departamento de Extrativismo do MMA.
         O curso conta com o apoio do Projeto GATI (Gestão Ambiental e Territorial Indígena), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF).
Cursistas dos povos Gavião (MA) e Bakairi (MT) em Trabalhos de Grupo. 
(foto: Antonio Veríssimo. Junho de 2016)

      A metodologia alternada teve um conjunto limitado de dinâmicas e recursos formativos, como exposições dialogadas em painéis, trabalhos e dinâmicas em grupo a partir de perguntas orientadoras, debates em plenária, exibição e debate de audiovisuais, conforme os conteúdos programáticos e cronogramas onde no final do curso foram apresentadas Trabalhos de Conclusão do Curso - TCC. O curso contou com expositores mestres indígenas e não indígenas enriquecendo mais o aprendizado. Para o Srêwĕ Xerente, coordenador da MOPIC, o Curso de Formação em PNGATI Cerrado despertou a reflexão de que o bioma é muito importante para o Brasil e para o mundo, com mais de 13 mil espécies nativas corre sério risco em degradação e extinção do bioma com avanços do agronegócio. A caixa d’agua do Brasil esta em risco de secar e assim matar as vidas existentes no Bioma Cerrado. Conclui. Srêwĕ também é presidente da Articulação dos Povos Indígenas do Tocantins – ArPIT. Indígenas do Tocantins, membros dos povos: Apinaje, Karajá e Xerente participaram do curso. Também, servidores da Funai/TO, da UFT e do NATURATINS cursaram o formar PNGATI. Todos os cursistas receberão o Certificado que será emitida pela UNB- Universidade de Brasília.
       A Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI) foi instituída pelo Decreto presidencial nº 7.747/2012, após cerca de três anos de construção, num amplo processo de consulta e diálogo com o movimento indígena. Tem como meta promover e garantir a proteção, recuperação, conservação e o uso sustentável dos recursos naturais nos territórios indígenas.
      Além disso, a iniciativa visa a melhoria da qualidade de vida dos indígenas com condições plenas para a reprodução física e cultural das atuais e futuras gerações, garantindo a integridade do patrimônio material e imaterial desses povos.


           Informações complementares estão disponíveis: site: www.funai.gov.br  e www.mma.gov.br

* Presidente da Articulação dos Povos Indígenas de Tocantins - ArPIT e coordenador do Mobilização dos Povos do Cerrado - MOPIC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…