Pular para o conteúdo principal

A CELEBRAÇÃO DA XIII ROMARIA DA TERRA E DA ÁGUA PADRE JOSIMO 2013.


       Com o tema: Firmes na Terra, Semeando a Vida, celebramos nos dias 10 e 11 de maio de 2013, a XIII Romaria da Terra e da Água Padre Josimo, que esse ano aconteceu na cidade de Esperantina, localizada no extremo norte do Estado do Tocantins, região do Bico do Papagaio.
Caminhada dos Romeiros (as) nas ruas da cidade de Esperantina (TO). (foto: Antônio Veríssimo. 2013)
      Às 14:30 do dia 10/05, na praça central da cidade de Esperantina, o Bispo diocesano de Tocantinópolis, Dom Giovane Pereira de Melo ao fazer a abertura da XIII Romaria da Terra e da Água Padre Josimo, foi aplaudido de pé pelos mais de 600 romeiros (as) vindos de todo o Estado do Tocantins e Estados vizinhos, representando as Pastorais Sociais, as associações, os camponeses, os ribeirinhos, as quebradeiras de coco, as comunidades quilombolas e os povos indígenas das etnias Apinajé e Krahô.
Mulheres Apinajé e Krahô; Firmes na Terra, Semeando 
a Vida. (foto: Antônio Veríssimo. 2013)

      No final da tarde da dia 10/05 participamos de oficinas temáticas, sobre as questões indígenas e quilombolas e os projetos de hidrelétricas. Na programação da noite cultural, assistimos as apresentações do filme “O Veneno Está na Mesa” e fotos históricas da luta camponesa no Bico do Papagaio. Assistimos também as meninas adolescentes que apresentaram uma dança regional e as mulheres Apinajé e Krahô, que entoaram cantos de nossa cultura. Juntos e em clima de confraternização os romeiros (as) fizeram um breve resgate da história, fazendo memória e reflexões sobre a vida e o martírio do Pe. Josimo Tavares, sua caminhada e luta ao lado dos povos pobres e oprimidos pelos latifundiários e pelas oligarquias políticas da região norte do então Estado de Goiás.
       O Pe. Josimo Tavares, nasceu em 1953 em Marabá no Estado do Pará, ordenou se Padre em Xambioá (TO) e foi covardemente assassinado por um pistoleiro, que o alvejou pelas costas quando subia as escadarias do prédio da CPT- Comissão Pastoral da Terra em Imperatriz (MA), fato ocorrido no dia 10 de maio de 1986.
Romeiros (as) no encerramento da XIII Romaria da Terra e  
da Água. (fotos: Antônio Veríssimo. 2013)

    No dia 11/05, pela manhã, depois de uma caminhada pelas ruas de Esperantina (TO), com a participação de mais de 1000 romeiros (as), ao meio dia a XIII Romaria da Terra e da Água Padre Josimo, foi encerrada com missa solene rezada pelo Bispo diocesano de Tocantinópolis (TO), Dom Giovane Pereira de Melo, que foi acompanhado pelos Bispos Dom Felipe da Diocese de Miracema (TO) e Dom Heriberto Hermes, da Prelazia de Cristalândia (TO) e por Padres e seminaristas das paróquias da região.




 

Terra Indígena Apinajé, 11 de maio de 2013.


Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…