Pular para o conteúdo principal

CARTA DOS POVOS INDÍGENAS DE GOIÁS E TOCANTINS À AGU



Carta da II Assembleia dos Povos Indígenas dos Estados de Goiás e Tocantins

Aos senhores

 Representante da AGU no Tocantins

 E ao Ministro chefe da AGU- Advocacia Geral da União

Luiz Inácio Adams
Manifestações indígenas nas ruas de Palmas (TO), contra a Portaria 303 da AGU. (foto: Laila Menezes/CIMI.2013)


        Nós mais de 500 indígenas de 13 povos, participantes de nossa II Assembleia, debatendo nossos problemas e buscando ampliar e fortalecer nossa união e alianças para garantir nossos direitos,  nesse sentido manifestamos nossas preocupações  e apreensão com relação à AGU -Advocacia Geral da União. Entendemos que essa instituição tem por obrigação defender os direitos constitucionais dos Povos Indígenas e não tentar impor uma portaria frontalmente contrária aos direitos de nossos povos e em especial, tentar impedir a demarcação e garantia de nossos territórios em todo país.
Jovens indígenas em manifestações à caminho da AGU em
Palmas (TO), em defesa dos territórios indígenas. (foto:
Laila Menezes/CIMI.2013)

        Diante da proposta de portaria 303 assinada pelo ministro Luís Inácio Adams, chefe da AGU, queremos  nos somar a todos os povos indígenas do Brasil para pedir a imediata revogação desta portaria 303. E não apenas isso. Queremos que a AGU qualifique seus quadros para que efetivamente possam cumprir sua obrigação de defender os direitos dos povos indígenas.
Protestos dos povos indígenas de Goiás e Tocantins em frente a AGU em
Palmas (TO) contra a Portaria 303 da AGU/BSB (foto: Laila Menezes/
CIMI.2013)

      Estaremos mobilizados para evitar qualquer agressão ou retirada de nossos direitos constitucionais e junto aos povos indígenas do país, estaremos denunciando, repudiando qualquer manobra ou proposta que venha ferir e desconstruir nossos direitos já garantidos na Constituição Federal.









Palmas, 21 de maios de 2013.





Os representantes dos povos Indígenas dos Estados de Goiás e Tocantins, abaixo assinados:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…