Pular para o conteúdo principal

TERRA APINAJÉ

CENTRO DE CULTURA E MONITORAMENTO TERRITORIAL

Assinatura de Termo de Contrato: Associação PEMPXÀ e empreiteira.
(foto Antônio Veríssimo. Junho de 2014)
      Com a finalidade de iniciar a construção do Centro de Cultura e Monitoramento Territorial, projetado para as margens do Ribeirão Botica, aldeia Irepxi, região central da Terra Indígena Apinajé, no último dia 18 de junho do corrente, o presidente da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, Edmar Xavito Apinagé, assinou Termo de Contrato com empreiteira para construção da estrutura física aonde brevemente irá funcionar a sede da Associação PEMPXÀ.
     A implantação do Centro de Cultura e Monitoramento Territorial faz parte de nosso Plano Permanente de Segurança e Proteção da Terra Indígena Apinajé, elaborado em parceria com a Fundação Nacional do Índio, durante oficina que ocorrida no período de 11 a 14 de fevereiro de 2010 na aldeia Patizal, que contou com as participações dos Diretores e membros dos conselhos deliberativos, fiscal e consultivo da Associação PEMPXÀ, de indigenistas e servidores da FUNAI.
     No local funcionará ambiente executivo para a gestão política, administrativa, social, cultural e de controle territorial da Diretoria da Associação PEMPXÀ e as coordenações de Segurança Alimentar, Ambiental, Cultural, Territorial e Apoio Institucional, dispostas nas DIRETRIZES  DE EXECUÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO AMBIENTAL-PBA TIMBIRA, PARA OS POVOS E TERRAS INDIGENAS: APINAJÉ, KRAHÔ, KRIKATI E GAVIÃO.
      O investimento Inicial será de R$ 110.000,00 (cento e dez mil reais), que serão aplicados na construção de casa de alvenaria com área coberta de 200.00 m², telhado de cerâmica, assoalho de cimento; disposta para 1 sala para escritório, 1 sala de estar, 1 auditório, 1 cozinha, 2 banheiros e 1 depósito, com instalação de luz, de preferência energia solar, para abrigar a sede da Associação PEMPXÀ. Conforme clausulas contratual o prazo estabelecido para conclusão e entrega da obra é de 90 dias.
      Em 2015, será construída outra casa de 320.00 m², no estilo tradicional (coberta de palha, assoalho de terra batida) para recepcionar Caciques, Consultores e Trabalhadores, o local será um Espaço de Convivência que também servirá para grandes reuniões, eventos e assembleias e nos arredores será erguida estrutura para sanitários e tanques de lavar roupa.
       Será edificado ainda um prédio de alvenaria com área coberta de 120.00 m², telhado de cerâmica, assoalho de cimento, onde será instalado o Setor de Formação, Pesquisa e Comunicação, com salas para Cursos, Biblioteca, Radiofonia, Internet e Audiovisual, além de banheiros.
      Considerando a aquisição de móveis e instalação de equipamentos de radiofonia, telefonia e internet, o custo final do projeto será de aproximadamente R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). A previsão é que até final de 2016, a implantação do mencionado Centro de Cultura e Monitoramento Territorial seja integralmente concluída.


Terra Indígena Apinajé, 23 de junho de 2014.


Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…