Pular para o conteúdo principal

MEIO AMBIENTE

BRIGADA APINAJÉ: PROVA DE FOGO
Brigadistas Apinajé em atividades na aldeia Barra do Dia, município de Maurilândia. (foto: Antônio Veríssimo. Jul. 2014)
Chefe de Brigada conversa com liderança Apinajé. (foto:
Antônio Veríssimo. Jul. 2014)

       Período de junho a setembro, esse é o tempo da florada e crescimento dos frutos dos pequizeiros, cajueiros, bacurizeiros e de outras espécies de árvores e palmeiras nativas dessa região. A partir de agora o cerrado e seus habitantes vivem sob a intensa e perigosa ameaça dos incêndios que poderão ocorrer nessa época. De forma cíclica e repetitiva todos os anos milhares hectares de campos, florestas e matas ciliares do território Apinajé, localizado no Norte do Estado do Tocantins vem sendo suprimidos e alterados pelo fogo.
      Por meio de convênio firmado entre o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis-IBAMA e a Fundação Nacional do Índio-FUNAI, no inicio de maio de 2014 foi realizada a seleção, capacitação e contrato de 15 Brigadistas indígenas da etnia Apinajé pelo Centro de Prevenção e Controle aos Incêndios Florestais do IBAMA/Prev-Fogo. 
     Equipados com viaturas 4X4, rádios de comunicação, GPS, máquinas fotográficas e outros equipamentos esses 15 brigadistas indígenas já estão atuando no território Apinajé desde inicio de junho.
     Inicialmente a Brigada Indígena está realizando visitas de apresentação nas comunidades com objetivo de conversar com os caciques sobre as atividades que doravante serão desenvolvidas pelos 2 Esquadrões que atuarão simultaneamente nas fronteiras principais da área Apinajé. No momento os Brigadistas também estão desenvolvendo atividades de Monitoramento Territorial, fazendo reconhecimento das regiões críticas e vulneráveis nos limites dos municípios de Tocantinópolis, Maurilândia, São Bento do Tocantins e Cachoeirinha.
Brigadistas em atividades na TO 126. (foto: Antônio 
Veríssimo. Jul. 2014)
     Alexandre Conde, chefe da Brigada Apinajé informou que os caciques e lideranças das aldeias visitadas estão sendo devidamente informados e orientados sobre algumas regras internas que doravante deverão ser observadas e cumpridas por todos. O chefe da Brigada disse também que os caciques e chefes de famílias demostraram considerável disposição de colaborar e apoiar as atividades dos Brigadistas.
       Dessa forma alertamos também a toda população das cidades circunvizinhas e moradores do entorno do território Apinajé, que se alguém for flagrado colocando fogo em pastagens, campos e florestas dentro da área indígena, poderá ser detido e encaminhado às autoridades competentes. Os moradores que tem seus lotes nas proximidades da área Apinajé, de agora em diante deverão notificar com antecedência o IBAMA, FUNAI, NATURATINS, os caciques e Chefes de Brigadas, quando forem queimar suas roças e pastagens. 

Terra Indígena Apinajé, 10 de julho de 2014.



Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …