Pular para o conteúdo principal

MOBILIZAÇÃO INDÍGENA


Líderes indígenas pedem o fim do “genocídio” dos indígenas isolados

O xamã Yanomami Davi Kopenawa, que assinou a carta aberta alertando de um genocídio ocorrendo no país.
O xamã Yanomami Davi Kopenawa, que assinou a carta aberta alertando de um genocídio ocorrendo no país.
© Fiona Watson/Survival
Três líderes indígenas eminentes denunciaram o ataque conjunto do governo contra os direitos indígenas como “genocida.”
Davi Kopenawa Yanomami, xamã e líder da tribo dos Yanomami em Roraima, Raoni Metuktire, líder Kayapó, e Sonia Bone Guajajara, ativista e líder Guajajara, publicaram uma carta aberta.
Na carta, eles dizem: “Um genocídio está acontecendo em nosso país, o Brasil.
“O governo está nos destruindo, os povos indígenas, primeiros povos do nosso país. Em nome de lucro e poder, as nossas terras estão sendo roubadas, as nossas florestas queimadas, os nossos rios poluídos e as nossas comunidades devastadas. Os nossos parentes isolados, que vivem no interior da floresta, estão sendo atacados e mortos.
“O governo está retirando a proteção das nossas terras, está mudando as leis para permitir a expansão do agronegócio e da mineração e está tentando silenciar a nossa oposição. Este é o ataque mais agressivo que enfrentamos até hoje em nossas vidas.
“Mas não seremos silenciados. Não queremos que as riquezas de nossas terras sejam roubadas e vendidas. Pois seguimos cuidando de nossas terras desde tempos imemoriais. Protegemos a nossa floresta porque ela nos dá vida.
“Nós, os irmãos e irmãs indígenas de mais de 200 povos diferentes, estamos nos juntando para protestar. Do coração da floresta Amazônica, estamos implorando pela sua ajuda. Neste momento de crise, precisamos de vocês. Por favor, digam ao governo que a nossa terra não pode ser roubada.”
Raoni Metuktire, o famoso líder e ativista Kayapó, que luta pelos direitos indígenas e contra a hidrelétrica de Belo Monte na Amazônia.
Raoni Metuktire, o famoso líder e ativista Kayapó, que luta pelos direitos indígenas e contra a hidrelétrica de Belo Monte na Amazônia.
© Antonio Bonsorte/Amazon Watch
A carta foi escrita em resposta às crescentes preocupações sobre os laços estreitos do governo Temer com a poderosa bancada ruralista, notoriamente anti-indígena.
Especialistas afirmam que a atitude do governo atual frente aos povos indígenas é “a pior em décadas.” As tribos isoladas são os povos mais vulneráveis do planeta, mas onde seus direitos territoriais são respeitados, elas continuam a prosperar.
FUNAI, cujos sertanistas patrulham e protegem os territórios indígenas, teve seu orçamento severamente reduzido. Isso está deixando muitos povos isolados expostos fatalmente à violência de forasteiros e doenças como a gripe e o sarampo, às quais não têm resistência.
Além disso, houve um grave aumento na violência contra indígenas por pessoas que querem roubar suas terras e recursos. Em agosto, cerca de 10 indígenas isolados foram supostamente massacrados no Vale do Javari. Em maio, fazendeiros atacaram um grupo de indígenas Gamela com facões e vinte e dois índios ficaram feridos.
Sonia Guajajara, uma ativista indígena proeminente, em um protesto em Paris em 2014.
Sonia Guajajara, uma ativista indígena proeminente, em um protesto em Paris em 2014.
© Survival International
Os indígenas isolados não são atrasados ou relíquias primitivas de um passado remoto. Eles são nossos contemporâneos e parte vital da diversidade humana.
O diretor da Survival International, Stephen Corry, disse: “O governo brasileiro está realizando uma campanha estruturada para enfraquecer os direitos indígenas, e está deliberadamente deixando territórios de tribos isoladas abertos a invasões. O que está ocorrendo no Brasil é uma crise humanitária urgente e terrível, e precisamos do máximo possível de pessoas para deixar claro às autoridades que essa perseguição tem que acabar.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

EXTRATIVISMO DO BABAÇU NA TERRA INDÍGENA APINAJÉ

MULHERES APINAJÉ REALIZAM OFICINA SOBRE EXTRAÇÃO DO BABAÇU
Com a finalidade de multiplicar e transmitir conhecimentos, saberes e práticas sobre a extração e aproveitamento do coco babaçu aos mais jovens,nos dias 18 e 19 de dezembro de 2013, foi realizada na aldeia Areia Branca, no município de Tocantinópolis, Estado do Tocantins, 2ª etapa da Oficina das Mulheres Indígenas Apinajé Sobre A Extração e o Beneficiamento do Babaçu. O evento foi realizado pelas mulheres Apinajé, com apoio da CGETNO/FUNAI/BSB e CTL de Tocantinópolis (TO).  Ao menos 40 lideranças mulheres vindas de 18 aldeias participaram da oficina.        A 1ª etapa da Oficina de Intercâmbio Sobre a Extração e Beneficiamento do Babaçu, foi realizada nos dias na aldeia Mariazinha e contou com a participação de (3) três mulheres do MIQCB-Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu da cidade de São Miguel do Tocantins (TO), que vieram compartilhar com as mulheres Apinajé, suas experiências e práticas sobre as ativid…