Pular para o conteúdo principal

AÇÕES DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO DA ÁREA APINAJÉ




Equipe da FUNAI e CIPRA, visitam Posto de Vigilância (desativado) da
FUNAI, na localidade Pontal. (foto: Antônio Veríssimo. 2013)

        No período de 15 a 21 de março de 2013, aconteceram a mobilização da equipe formada por vinte jovens Apinajé e um motorista da FUNAI, com objetivo de fazer os trabalhos de vigilância e monitoramento territorial da área Apinajé. Essas atividades aconteceram em conjunto com as ações de Fiscalização e Proteção dessa área indígena, que foram realizadas pela Fundação Nacional do Índio –FUNAI e a Companhia de Polícia Rodoviária Ambiental do Tocantins -CIPRA, que atuaram acompanhando dando apoio e suporte à nossa equipe indígena em trabalhos de campo. A FUNAI e CIPRA, também realizaram o cadastramento de parte dos indivíduos não-índios, casados com índias que vivem nas aldeias Apinajé.
        Durante nossas incursões no interior da área indígena, visitamos os postos de vigilância (desativados) da FUNAI na região do Pontal e Veredão. também realizamos visitas de surpresa à alguns locais considerados críticos e vulneráveis dessa área indígena, a procura de vestígios de invasão de não -índios e sinais como troncos de madeiras serrados, rastros e picadas que possam indicar que o local está sendo invadido. Para melhor mobilidade da Equipe de Vigilância Indígena, da FUNAI e da Polícia Ambiental, realizamos a limpeza, (retirada de troncos e galhos) em trecho de estrada (ramal) num percurso de aproximadamente 30 km entre a aldeia Mata Grande e o Posto de Vigilância (desativado) da FUNAI localizado na divisa norte dessa TI na região do Pontal.
          A situação mas grave que observamos, foi os desmatamentos e obras de terraplanagem da rodovia TO 126 trecho dentro da área indígena no município de Maurilândia. Quando foi questionado sobre o assunto, o Coordenador da FUNAI/CTL de Tocantinópolis- TO, Bruno Aluísio Braga Fragoso, informou que ainda não tinha sido notificado e nem avisado pelo IBAMA, sobre qualquer licença ou autorização para inicio das referidas obras. Por sua vez o Coordenador Regional da FUNAI/CR Araguaia Tocantins Cleso Fernandes de Moraes, disse que manteve contato com a direção do SEINFRA e foi informado que os trabalhos que estão acontecendo naquele trecho da TO 126, não se trata de terraplanagem, e sim, serviços de recuperação com cascalhamento da mesma. E garantiu que logo tomaria as medidas no sentido de pedir informações ao IBAMA sobre o empreendimento.
Lixões dentro (ou no entorno) da área Apinajé. Este fica no
na localidade Veredão, no município de São Bento do
Tocantins (foto: Antônio Veríssimo. 2013).
Crime ambiental grave, lixos jogados nas nascentes de 
ribeirões dentro da área Apinajé, na localidade Veredão, 
município de São Bento do Tocantins. (foto: Antônio 
Veríssimo. 2013)


      Os lixões que estão se formando nas margens dessas estradas é outro problema preocupante que detectamos, pelo menos em cinco locais o problema é mais sério. Os moradores da localidade Veredão no município de São Bento do Tocantins, há alguns anos teimam em jogar lixo nas margens da rodovia BR 230 dentro da terra indígena. No mesmo local, as nascente de águas, que são utilizadas para beber e banhar pelos índios Fulniô, estão sendo poluídas com lixo jogados por moradores do local. Nas proximidades da aldeia Prata no município de Tocantinópolis, também podemos observar montes de lixo jogados nas margens da estrada de acesso à aldeia São José, a mesma situação se repete ao longo da rodovia TO 126 no trecho que corta essa terra indígena, entre os municípios de Tocantinópolis e Maurilândia.
          Essas andanças dentro do território Apinajé, permite que os jovens conheçam melhor nosso território e sinta a importância desse patrimônio para as presentes e futuras gerações. Portando alertamos a todos que essas incursões na terra indígena Apinajé, doravante serão realizadas de surpresas e a qualquer hora do dia ou da noite. E aqueles invasores que forem flagrados praticando alguma atividade ou crime ambiental, serão presos e entregues às autoridades policiais. Além do pagamento de multas, esses infratores poderão responder na Justiça, de acordo com a legislação vigente.


Aldeia São José, 07 de abril de 2013.

Associação União das aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …