Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES 2014

    ARTICULAR SUA BASE DE SUSTENTAÇÃO NO CONGRESSO PARA GOVERNAR, FAZER A REFORMA POLÍTICA E RESOLVER A QUESTÃO DAS DEMARCAÇÕES E REGULARIZAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E QUILOMBOLAS: EIS OS GRANDES DESAFIOS DA PRESIDENTA REELEITA DILMA ROUSSEFF

      Com 54.501.118 votos, representando 51,64% do total das preferencia válidas, foi reeleita para Presidenta da Republica Federativa do Brasil, a senhora Dilma Vana Rousseff, para mais 4 anos de mandato. Na noite do dia 26/10/14, logo após o anuncio dos resultados pelo Tribunal Superior Eleitoral-TSE, em seu pronunciamento oficial, a presidenta reeleita agradeceu os eleitores, o ex-presidente Lula da Silva e os presidentes dos partidos da coligação que a reelegeu. A presidenta afirmou ainda que não acredita que sua reeleição tenha dividido o País, mais entende que esse é um caminho para buscar soluções para melhorar o Brasil por meio do diálogo e da união nacional.
         Esse resultado já era esperado. As pesquisas realizadas e divulgadas pelos Institutos Datafolha e IBOPE na reta final da campanha do 2º turno já sinalizavam uma vitória apertada de Dilma Rousseff, que foi reeleita com margem pequena de votos. A campanha difamatória e mentirosa da mídia e o uso eleitoreiro da questão que envolve a corrupção na Petrobrás contribuíram para esse resultado.
        Durante os dois turnos da campanha politica, observamos seguidas ilações orquestradas por certos setores da imprensa com a finalidade de induzir os eleitores e influenciar os resultados da eleição. O fato mais grave e vergonhoso partiu da Revista Veja que na véspera da eleição antecipou de domingo para sexta-feira sua Edição na qual publicou em matéria de capa acusações sem provas sugerindo envolvimento do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma no suposto escândalo de corrupção na Petrobrás.
       Ainda com a finalidade de gerar alvoroços, tumultos e sentimentos de repulsa do povo contra a candidata Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores, na manhã do dia 26/10/2014, foram divulgadas na internet fofocas e falsas informações dando conta do assassinato de Alberto Yousseff, doleiro preso na Operação Lava Jato, e delator da corrupção na Petrobrás. A Polícia Federal logo tratou de emitir nota desmentindo a notícia mentirosa.
       Utilizar a imprensa para propagar mentiras, calúnias e proferir falsas acusações sem fundamentos e provas é crime e os envolvidos devem ser investigados e punidos na forma da Lei.  Agindo assim os Jornalistas e os veículos de comunicação prestam lastimável desserviço ao País. Felizmente nem a campanha paralela da hipocrisia, da difamação e da calúnia perpetrada pela mídia burguesa e golpista impediram a vitória da Democracia em favor da população mais oprimida e empobrecida do Brasil.

QUESTÃO INDÍGENA: UM DOS DESAFIOS DO 2º MANDATO

       Ressaltamos que no 1º mandato de Dilma Rousseff a questão indígena foi negligenciada pelo governo do PT que se coligou e cedeu às pressões do agronegócio e outros setores econômicos contrários aos direitos das minorias étnicas e raciais do Brasil. Como consequências ocorreram assassinatos, prisões ilegal, despejos, espancamentos, criminalização de lideranças e outras violações de Direitos Humanos. Toda essa violência é atribuída à lentidão do governo para demarcar e regularizar as terras indígenas em questão.
         Reiteramos a continuidade de nossas lutas contra a PEC 215/2000 e outras propostas que tramitam nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário com a finalidade de anular nossos direitos afirmados na Constituição Federal de 1988. Esperamos que desta vez a presidenta reeleita Dilma Rousseff e sua base de sustentação no Congresso Nacional, resolvam à questão das demarcações e regularização dos Territórios Indígenas e Quilombolas. Entendemos que dessa forma evitaremos o acirramento de mais conflitos no campo e as (recorrentes) violações de Direitos Humanos que tanto envergonham nosso País.

Terra Indígena Apinajé 29 de outubro de 2014


Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …