Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES 2014

    ARTICULAR SUA BASE DE SUSTENTAÇÃO NO CONGRESSO PARA GOVERNAR, FAZER A REFORMA POLÍTICA E RESOLVER A QUESTÃO DAS DEMARCAÇÕES E REGULARIZAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E QUILOMBOLAS: EIS OS GRANDES DESAFIOS DA PRESIDENTA REELEITA DILMA ROUSSEFF

      Com 54.501.118 votos, representando 51,64% do total das preferencia válidas, foi reeleita para Presidenta da Republica Federativa do Brasil, a senhora Dilma Vana Rousseff, para mais 4 anos de mandato. Na noite do dia 26/10/14, logo após o anuncio dos resultados pelo Tribunal Superior Eleitoral-TSE, em seu pronunciamento oficial, a presidenta reeleita agradeceu os eleitores, o ex-presidente Lula da Silva e os presidentes dos partidos da coligação que a reelegeu. A presidenta afirmou ainda que não acredita que sua reeleição tenha dividido o País, mais entende que esse é um caminho para buscar soluções para melhorar o Brasil por meio do diálogo e da união nacional.
         Esse resultado já era esperado. As pesquisas realizadas e divulgadas pelos Institutos Datafolha e IBOPE na reta final da campanha do 2º turno já sinalizavam uma vitória apertada de Dilma Rousseff, que foi reeleita com margem pequena de votos. A campanha difamatória e mentirosa da mídia e o uso eleitoreiro da questão que envolve a corrupção na Petrobrás contribuíram para esse resultado.
        Durante os dois turnos da campanha politica, observamos seguidas ilações orquestradas por certos setores da imprensa com a finalidade de induzir os eleitores e influenciar os resultados da eleição. O fato mais grave e vergonhoso partiu da Revista Veja que na véspera da eleição antecipou de domingo para sexta-feira sua Edição na qual publicou em matéria de capa acusações sem provas sugerindo envolvimento do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma no suposto escândalo de corrupção na Petrobrás.
       Ainda com a finalidade de gerar alvoroços, tumultos e sentimentos de repulsa do povo contra a candidata Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores, na manhã do dia 26/10/2014, foram divulgadas na internet fofocas e falsas informações dando conta do assassinato de Alberto Yousseff, doleiro preso na Operação Lava Jato, e delator da corrupção na Petrobrás. A Polícia Federal logo tratou de emitir nota desmentindo a notícia mentirosa.
       Utilizar a imprensa para propagar mentiras, calúnias e proferir falsas acusações sem fundamentos e provas é crime e os envolvidos devem ser investigados e punidos na forma da Lei.  Agindo assim os Jornalistas e os veículos de comunicação prestam lastimável desserviço ao País. Felizmente nem a campanha paralela da hipocrisia, da difamação e da calúnia perpetrada pela mídia burguesa e golpista impediram a vitória da Democracia em favor da população mais oprimida e empobrecida do Brasil.

QUESTÃO INDÍGENA: UM DOS DESAFIOS DO 2º MANDATO

       Ressaltamos que no 1º mandato de Dilma Rousseff a questão indígena foi negligenciada pelo governo do PT que se coligou e cedeu às pressões do agronegócio e outros setores econômicos contrários aos direitos das minorias étnicas e raciais do Brasil. Como consequências ocorreram assassinatos, prisões ilegal, despejos, espancamentos, criminalização de lideranças e outras violações de Direitos Humanos. Toda essa violência é atribuída à lentidão do governo para demarcar e regularizar as terras indígenas em questão.
         Reiteramos a continuidade de nossas lutas contra a PEC 215/2000 e outras propostas que tramitam nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário com a finalidade de anular nossos direitos afirmados na Constituição Federal de 1988. Esperamos que desta vez a presidenta reeleita Dilma Rousseff e sua base de sustentação no Congresso Nacional, resolvam à questão das demarcações e regularização dos Territórios Indígenas e Quilombolas. Entendemos que dessa forma evitaremos o acirramento de mais conflitos no campo e as (recorrentes) violações de Direitos Humanos que tanto envergonham nosso País.

Terra Indígena Apinajé 29 de outubro de 2014


Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…