Pular para o conteúdo principal

EDUCAÇÃO

Curso de Extensão: Meio Ambiente, Política Indigenista e Direitos Indígenas

     Nos dias 01 e 02 de agosto de 2016 foi realizada na aldeia Patizal, Terra Indígena Apinajé uma oficina que debateu os temas: Meio Ambiente, Política Indigenista e Direitos Indígenas. A Oficina foi Coordenada pelo (historiador) Prof. Marcelo Gonzalez Brasil, do Campus da Universidade Federal do Tocantins-UFT de Porto Nacional – TO, e teve a participação de estudantes (acadêmicos da UFT), professores, anciãos, mulheres e demais lideranças, ao menos 40 pessoas participaram.
       Durante o Curso debatemos especialmente sobre os direitos territoriais e a relação do Estado brasileiro por meio do extinto Serviço de Proteção ao Índio -SPI  e da Fundação Nacional do Índio -FUNAI junto a nosso povo Apinajé. Observamos que especialmente o extinto SPI tinha como principal mandato e incumbência de fazer a política do contato e integrar os diversos povos indígenas à sociedade nacional.
      A pesar das graves falhas e contradições verificadas na atuação dos servidores do SPI, na T.I. Apinajé naquela época a presença do Estado ajudou inibir os invasores evitando o extermínio de nosso povo pelos não-índios. Lembrando que entre as décadas de 40 e 50 sofremos consideráveis baixas em nossa população e quase fomos totalmente massacrados pelas frentes de colonização e por doenças.
     O estudo esclareceu que na década de 70 já na época da atuação da Fundação Nacional do Índio – FUNAI, este órgão criado para tutelar o índio tinha também a contraditória e conflitante missão de proteger e integrar os índios a sociedade envolvente. Por culpa dessa perversa política integracionista imposta pelo Estado, muitos povos foram dizimados ou tiveram seus territórios tradicionais invadidos e usurpados.
    Evidentemente mesmo frente à opressão e domínio do Estado, os povos indígenas nunca deixaram de lutar por seus territórios, culturas e modos de Vida. A partir da Constituinte de 1988 o Estado brasileiro reconheceu aos povos indígenas alguns direitos que infelizmente nunca foram efetivamente cumpridos. Dessa forma muitas terras indígenas nunca foram demarcadas ou sequer reconhecidas, e seguem ocupadas por não-índios até os dias de hoje. Mas a nossa luta por direitos e garantias de territórios continua....

         O Curso enfatizou ainda que as grandes obras de infra-estrutura implantadas desde a década de 50 até os dias de hoje trouxeram muitos problemas para nosso povo. Assim mega-projetos como a Rodovia Belém-Brasília, a BR 230 (Transamazônica) que corta o território Apinajé, o projeto Grande Carajás da Companhia Vale do Rio Doce – CVRD, a ferrovia Norte-Sul e outros projetos desenvolvimentistas implantados pelo Estado brasileiro continuam agravando os impactos ambientais em nosso território tradicional e provocando graves problemas sócio-culturais para nossas aldeias.
      No Curso o Prof. Marcelo Brasil Gonzalez disponibilizou ainda farta documentação histórica sobre a luta do povo Apinajé pela demarcação do território relatada a partir da década de 20. O material digitalizado contém valiosas obras como “As Cartas do Sertão” e “Os Apinajé” de Curt Nimuendajú, “Os Apinajé do Alto Tocantins” de Carlos Estevão de Oliveira. O acervo inclui ainda obras de Odair Geraldin, Raquel Pereira Rocha entre outros (as) autores. A União das Aldeias Apinajé – Pempxà e a  FUNAI/CTL de Tocantinópolis foram parceiros e apoiadores na realização da Oficina.

Terra Apinajé, 12 de agosto de 2016

União das Aldeias Apinajé-Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …