Pular para o conteúdo principal

EDUCAÇÃO

Curso de Extensão: Meio Ambiente, Política Indigenista e Direitos Indígenas

     Nos dias 01 e 02 de agosto de 2016 foi realizada na aldeia Patizal, Terra Indígena Apinajé uma oficina que debateu os temas: Meio Ambiente, Política Indigenista e Direitos Indígenas. A Oficina foi Coordenada pelo (historiador) Prof. Marcelo Gonzalez Brasil, do Campus da Universidade Federal do Tocantins-UFT de Porto Nacional – TO, e teve a participação de estudantes (acadêmicos da UFT), professores, anciãos, mulheres e demais lideranças, ao menos 40 pessoas participaram.
       Durante o Curso debatemos especialmente sobre os direitos territoriais e a relação do Estado brasileiro por meio do extinto Serviço de Proteção ao Índio -SPI  e da Fundação Nacional do Índio -FUNAI junto a nosso povo Apinajé. Observamos que especialmente o extinto SPI tinha como principal mandato e incumbência de fazer a política do contato e integrar os diversos povos indígenas à sociedade nacional.
      A pesar das graves falhas e contradições verificadas na atuação dos servidores do SPI, na T.I. Apinajé naquela época a presença do Estado ajudou inibir os invasores evitando o extermínio de nosso povo pelos não-índios. Lembrando que entre as décadas de 40 e 50 sofremos consideráveis baixas em nossa população e quase fomos totalmente massacrados pelas frentes de colonização e por doenças.
     O estudo esclareceu que na década de 70 já na época da atuação da Fundação Nacional do Índio – FUNAI, este órgão criado para tutelar o índio tinha também a contraditória e conflitante missão de proteger e integrar os índios a sociedade envolvente. Por culpa dessa perversa política integracionista imposta pelo Estado, muitos povos foram dizimados ou tiveram seus territórios tradicionais invadidos e usurpados.
    Evidentemente mesmo frente à opressão e domínio do Estado, os povos indígenas nunca deixaram de lutar por seus territórios, culturas e modos de Vida. A partir da Constituinte de 1988 o Estado brasileiro reconheceu aos povos indígenas alguns direitos que infelizmente nunca foram efetivamente cumpridos. Dessa forma muitas terras indígenas nunca foram demarcadas ou sequer reconhecidas, e seguem ocupadas por não-índios até os dias de hoje. Mas a nossa luta por direitos e garantias de territórios continua....

         O Curso enfatizou ainda que as grandes obras de infra-estrutura implantadas desde a década de 50 até os dias de hoje trouxeram muitos problemas para nosso povo. Assim mega-projetos como a Rodovia Belém-Brasília, a BR 230 (Transamazônica) que corta o território Apinajé, o projeto Grande Carajás da Companhia Vale do Rio Doce – CVRD, a ferrovia Norte-Sul e outros projetos desenvolvimentistas implantados pelo Estado brasileiro continuam agravando os impactos ambientais em nosso território tradicional e provocando graves problemas sócio-culturais para nossas aldeias.
      No Curso o Prof. Marcelo Brasil Gonzalez disponibilizou ainda farta documentação histórica sobre a luta do povo Apinajé pela demarcação do território relatada a partir da década de 20. O material digitalizado contém valiosas obras como “As Cartas do Sertão” e “Os Apinajé” de Curt Nimuendajú, “Os Apinajé do Alto Tocantins” de Carlos Estevão de Oliveira. O acervo inclui ainda obras de Odair Geraldin, Raquel Pereira Rocha entre outros (as) autores. A União das Aldeias Apinajé – Pempxà e a  FUNAI/CTL de Tocantinópolis foram parceiros e apoiadores na realização da Oficina.

Terra Apinajé, 12 de agosto de 2016

União das Aldeias Apinajé-Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…