Pular para o conteúdo principal

O CERRADO RESISTE!

“SE ESSES TERRITÓRIOS ESTIVESSEM COM OS FAZENDEIROS, ESSAS MATAS JÁ TINHAM ACABADO E ESSES RIBEIRÕES JÁ ESTAVAM SECOS E/OU POLUÍDOS”

Crianças Apinajé no ribeirão Botica, patrimônio ameaçado. (foto: AntonioVeríssimo. Set. de 2017)
       A partir de 2010 com a conclusão da UHE Estreito, temos monitorado a qualidade e a quantidade das águas do rio Tocantins e seus afluentes, especialmente as que nascem dentro da TI Apinajé. Nesse período observamos a gradativa e repentina diminuição do volume de águas das nascentes e ribeirões nos municípios de Tocantinópolis e Maurilandia, localizadas a jusante do barramento.

        Nos últimos 05 anos o rio Tocantins vêm sofrendo a maior crise hídrica e seca de sua história, em 2016 a travessia de balsa entre as cidades de Tocantinópolis - TO e Porto Franco - MA, foi totalmente interrompida por falta d’água. Pescadores e barqueiros da região afirmam que nunca viram o rio Tocantins nestas condições. Como se não bastasse todos os anos a região é intensamente castigada pelos incêndios nos campos e florestais, desastres que também contribui para degradação das nascentes e cabeceiras.

        Desde que a Suzano Papel e Celulose foi implantada em Imperatriz - MA, que vivemos sob constante ameaça também dos plantadores de eucaliptos. Assim temos travado intensa luta para impedir o desmatamento do entorno da TI pelos fazendeiros. Entendemos que essa atividade vai degradar ainda mais o Cerrado e contribuir para assoreamento e seca das nascentes, inclusive as que estão dentro da TI indígena. Mas, de forma insensata e intransigente os fazendeiros insistem em desmatar de forma ilegal, buscando o conflito a qualquer custo.
Aspecto do rio Tocantins em Tocantinópolis. (foto: Laudovina Pereira. CIMI/GOTO. Agosto de 2017)

        A 350 km rio acima na cidade de Miracema - TO, localizada próxima a UHE de Lajeado o rio Tocantins no seu trecho abaixo do barramento encontra se irreconhecível, degradado e quase seco. A montante da obra observa se um lago quase parado, com águas cada vez mais poluídas e quentes. O entorno da TI Xerente no município de Pedro Afonso - TO está totalmente tomado pela cana e soja. Se continuar nesse ritmo em poucos anos teremos extensas áreas de Cerrados transformados em desertos, com conseqüências gravíssimas para a população da bacia hidrográfica Tocantins/Araguaia.

        As condições do Rio Araguaia e seus afluentes também é muito crítica, especialmente no trecho que passa nos Estados de Goiás e Mato Grosso o rio já sofre com as voçorocas e assoreamentos. Nessa região do Brasil predomina as atividades agropecuária, praticada muitas vezes sem responsabilidade e gestão ambiental adequada. O controle e a fiscalização e por parte dos órgãos ambientais não funcionam, e as instituições do Estado parecem cada vez mais insuficientes burocráticas e corrompidas. E para piorar o Araguaia e seus afluentes recebem diariamente toneladas de lixos, esgotos e pesticidas despejado pelas cidades e vilas de ribeirinhos.

        Outro rio brasileiro que também nasce no Cerrado e corre pra Leste, o rio São Francisco encontra se em situação ainda pior. Alguns (poucos) políticos, ambientalistas, artistas e religiosos tem se levantado em defesa do “Velho Chico”.  No dia 05/09/17, durante depoimento na Comissão de Assuntos Econômicos - CAE, o Senador Otto Alencar do PSD da Bahia, lembrou que há muitos anos clama pela revitalização do rio São Francisco, mas reconhece que pouco foi realizado, o parlamentar declarou que em razão da situação de extrema gravidade e crise hídrica algo precisa ser feito pelos rios brasileiros.

        Essa é a situação dos rios do Centro - Norte e Nordeste do Brasil, infelizmente o governo golpista do Michel Temer e a maioria dos Senadores e Deputados que o sustentam, não tem nenhuma proposta séria para proteger, defender e revitalizar esses importantes rios brasileiros. O que percebemos são planos para desmatar cada vez mais a Amazônia e o Cerrado e continuar entregando nosso patrimônio e destruindo os mananciais hídricos.

        O plantio intensivo de soja, eucaliptos, milho, arroz e cana para exportação, praticada pelo agronegócio são atividades que mais demanda e depende de água. Mas, ironicamente o setor ruralista é quem mais está desmatando, destruindo e degradando as nascentes e mananciais de águas do país.

          Diante dessa situação só nos resta articulação das diversas organizações da sociedade civil e fazer uma ampla mobilização política e social para forçar os governos, os parlamentares e empresas recuarem com seus projetos destruidores. Ainda é fundamental acionar a PGR/MPF e o judiciário para obrigar esses infratores a observar e cumprir a CF e a legislação ambiental do país. A articulação e parceria com entidades ambientalistas de outros países são necessárias para se ter êxito.

Terra Indígena Apinajé, 06 de setembro de 2017


Associação União das Aldeias  Apinajé-Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…