Pular para o conteúdo principal

AS ATIVIDADES DE CAÇA E COLETA E A GESTÃO AMBIENTAL DA ÁREA APINAJÉ


AS ATIVIDADES DE CAÇA E COLETA E A GESTÃO AMBIENTAL DA ÁREA APINAJÉ.


    No período de 15 a 20 de dezembro de 2012, estivemos mobilizados realizando trabalhos de coletas de frutas nativas e vigilância de nosso território. As ações aconteceram nas regiões das aldeias, (desativadas) Cocalinho e Buriti Cumprido, localizadas nos municípios de São Bento do Tocantins e Cachoeirinha, extremo oeste desta terra indígena. Essas atividades fazem parte de nosso Plano Permanente de Vigilância e Proteção Territorial, que foi elaborado em 2009, em parceria com a FUNAI.
    As ações foram planejadas e executadas com o apoio da Associação União das Aldeias Apinajé- PEMPXÀ, em parceria com a FUNAI/CTL de Tocantinópolis-TO, e cerca de 60 indígenas (principalmente jovens) estiveram envolvidos na execução dos trabalhos. Essas andanças no interior de nosso território, visam a ocupação dessa parte da área e o aproveitamento dos recursos naturais, caça, pesca e a coleta de frutas nativas; como a bacaba, bacuri e buriti, que estão sendo muito exploradas e roubadas por não - índios.
    No primeiro dia de trabalhos, improvisamos uma ponte sobre o ribeirão dos caboclos, (a ponte que havia no local foi incendiada por invasores). Durante as incursões, realizamos intensa vigilância e levantamentos das regiões de chapadas e matas ciliares do ribeirão dos caboclos e ribeirão São Bento; visitando e monitorando locais que podem estar sendo invadidos por caçadores, madeireiros, arrendadores e outros intrusos, que nessa época invadem (especialmente) em busca de fazer coleta de frutas. Nessa primeira fase das atividades, conseguimos coletar uma quantidade significativa de polpas (principalmente) de bacuri, que estão sendo vendidas, para a empresa Fruta Sã, de Carolina - MA.
    Para execução das ações, dispomos de modernos equipamentos de tecnologia da informação; filmadoras, máquinas fotográficas, rádios de comunicação móveis e GPS, que estão sendo usados para documentar, fotografar, fazer mapeamentos e marcar as coordenadas geográficas dos locais visitados. As informações levantadas, relatórios e denuncias de possíveis crimes contra o patrimônio indígena, estão sendo encaminhadas à FUNAI, MPF, Polícia Federal e IBAMA para providencias.
   Essas informações poderão ser usadas também em futuras Operações de Fiscalização e Proteção Territorial em parceria com a FUNAI. E em breve serão utilizadas pela associação PEMPXÀ, na elaboração de um Plano de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais da TI. Apinajé, proposta que levaremos ao Corpo de Bombeiros, Prefeituras, FUNAI e IBAMA, com o objetivo de prevenir e evitar as queimadas, que todos os anos atingem as chapadas e matas ciliares e estão destruindo importantes áreas de caça, pesca e coleta de babaçu, bacuri, pequi, buriti, açaí e bacaba. Veja algumas fotos das atividades.


 BOAS FESTAS E FELIZ 2013, a todos os aliados e parceiros da causa indígena.. 

                                      Aldeia Patizal, 23 de dezembro de 2012.


Associação União das Aldeias Apinajé - PEMPXÀ



Ponte queimada sobre o ribeirão dos caboclos.

    Homens carregam os bacuri do mato.
Lideranças visitam e monitoram locais dentro da área indígena.

      Bacaba, usada para fazer sucos, sorvetes e vitaminas.


Árvore de bacuri, carregado com frutos.


Frutos do bacuri, coletados.
Florestas de bacuri, agredidas pelos projetos de  eucaliptos.





Fruto do bacuri.
Alternativa econômica para povos indígenas.

Cerrado no norte Tocantins, áreas de ocorrências do bacuri.












Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …