Pular para o conteúdo principal

CONGRESSO DOS 40 ANOS DO CIMI: "RAÍZ, IDENTIDADE E MISSÃO"



CONGRESSO DOS 40 ANOS DO CIMI:
“RAIZ, IDENTIDADE E MISSÃO”

   Nos dias 19 a 23 de novembro de 2012, estivemos reunidos, cerca de 250 pessoas, em Luziânia-GO, no Congresso dos 40 anos do   CIMI-Conselho Indigenista Missionário.  Os participantes vindos de todas as regiões do País, missionários, lideranças indígenas, representantes de organizações da sociedade civil e outros convidados do Brasil e exterior, debatemos e refletimos sobre os temas do congresso; “Raiz,Identidade e Missão”. Também fizemos uma breve memória do contexto de criação do CIMI nos anos 70 e avaliamoso compromisso e a caminhada da entidade, com os povos indígenas nesses 40 anos.
  Os Bispos, Padres e missionários afirmaram que o CIMI, (que é uma entidade vinculada a CNBB-Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil) foi criado por opção à causa dos povos indígenas, historicamente massacrados e ameaçados de extermínio. Foram citadas algumas conquistas e lembrados momentos históricos como; as realizações das primeiras assembléias indígenas e os enfrentamentos à ditadura militar nos anos 70, o processo constituinte de 1988, a Marcha Indígena em 2000 e o apoio e acompanhamento às lutas em buscas do resgate e demarcações de terras indígenas, nos últimos 40 anos.
   No dia 22/11/ 2012, no período da manhã, foram prestadas justas homenagens à Dom Tomás Balduíno, Bispo emérito de Goiás e um dos fundadores do CIMI, que também estava aniversariando, completando 90 anos de vida. No momento ressaltamos e reafirmamos à importância do CIMI e da CPT, para defesa dos direitos humanos e apoio as lutas dos povos indígenas, quilombolas e camponeses, vítimas da exclusão social, escravidão e opressão.
    Em 23/11, último dia do congresso, o Bispo do Xingú e Presidente do CIMI, Dom Erwin Kräutler fez o lançamento do manifesto, Povos Indígenas; aqueles que devem viver, ou manifesto contra o decreto de extermínio.  Fazendo a leitura de nota de sua autoria,(ver pag.11 do manifesto) o bispo lembrou que, já 1973, o CIMI publicou “Y-Juca-Pirama: o índio aquele que deve morrer”, documento que denuncia(va) a política genocida do governo brasileiro na época. Na citada nota, Dom Erwin continua;“Passadas quatro décadas da publicação daquele manifesto, muitas das situações denunciadas ainda persistem, mas podemos afirmar com toda segurança que os povos indígenas, graças à sua grande capacidade de resistência, luta e organização, conseguiram expulsar – de uma vez por todas – a ameaça da extinção. Motivado pela celebração dos seus 40 anos, o CIMI publica hoje esse segundo manifesto no intuito de concretizar a profecia anunciada pelo Y-Juca Pirama: Chegou o momento de anunciar, na esperança, que aquele que deveria morrer é aquele que deve viver”.

                                      Luziânia-GO, 23 de novembro de 2012.

Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ
Organização indígena participante

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…