Pular para o conteúdo principal

SAÚDE



                                       NOTA DE ESCLARECIMENTO


     Vimos à publico, esclarecer para a sociedade, imprensa e as autoridades do poder público, sobre a questão da viatura, Placa MXC 4184 cabine dupla, OFICIAL, BRANCA da SESAI/PBI-Tocantinópolis -TO, que foi apreendida no último dia 03/12/12, na estrada de acesso à aldeia Mariazinha. Sobre essa ocorrência, temos que esclarecer o seguinte:

     Em nossas comunidades todos os anos sofremos e enfrentamos sérios problemas com doenças sazonais, especialmente aquelas transmitidas pelas águas contaminadas, que somos obrigados a consumir por falta de água tratada. E que há alguns anos a chefe Adm. do PBI e Tocantinópolis -TO, Cimei Gomes de Sousa e a chefe do DSEI-TO Ivaneizília Ferreira Noleto, estão sendo alertadas e cobradas, por meio de documentos, ofícios e manifestos, que infelizmente não são respondidos  nem resolvidos.

     No dia 09 de outubro de 2012, a bomba d’agua da aldeia Mariazinha foi queimada, sendo que no mesmo dia a chefe do PBI, foi informada. E durante reunião de planejamento do CONDISI-Conselho Distrital de Saúde Indígena, realizado em Tocantinópolis, ocorrida em outubro, o senhor José Ribeiro, também foi avisado por meio de ofício. 

     Na atual temporada de chuvas, essa situação das bombas queimadas das aldeias Mariazinha, Bonito e Girassol, só veio agravar ainda mais os casos de diarreias, vômitos, febres e verminose e potencializar os  riscos e ameaças de epidemias.


      No último dia 12 de novembro de 2012, os lideres Euclides Pereira Ribeiro e Evangelista Alves Apinajé, estiveram também na Promotoria de Justiça de Tocantinópolis-TO, fazendo reclamações acerca desses fatos.

           Cansados de esperar pelo conserto das referidas bombas, no dia 03/12/2012, como forma de chamar atenção das autoridades e gestores responsáveis pelo atendimento à saúde indígena, resolvemos de forma pacífica deter uma viatura da SESAI. Informamos que a referida viatura está guardada, não está sendo usada, depredada ou danificada e será entregue logo que nossas reivindicações forem atendidas e resolvidas.

       Sendo que, estamos sendo vitimas do descaso, da omissão e da má gestão do PBI, do DSEI-TO e SESAI, mesmo assim não estamos indo em delegacia nenhuma, fazer reclamações ou dar queixa dos gestores. Porém sempre que nos mobilizamos para cobrar nossos direitos, a chefe do PBI de Tocantinópolis-TO, além de  não resolver, ainda vai reclamar na delegacia. Entendemos que essa questão da saúde é uma demanda coletiva de todo o povo Apinajé. E que de forma nenhuma pode se culpar, condenar e punir alguém de forma isolada.

      Alertamos que se alguma emergência (doença) vier acontecer, com prejuízos e perdas de vidas (morte de pessoas), a chefe do PBI de Tocantinópolis -TO Cimei Gomes de Sousa e a chefe do DSEI-TO, Ivaneizília Ferreira Noleto, serão diretamente responsabilizadas e culpadas.

        Exigimos que seja realizada imediatamente uma reunião de caciques, conselheiros de saúde, representantes de organizações indígenas e autoridades do poder público, SESAI, PBI, FUNAI, MPF-TO, no próximo dia 12/12/2012, para tratar da questão da viatura que está apreendida na aldeia Mariazinha, e outros assuntos relacionados à saúde, que não foram encaminhadas e nem resolvidos.





                                     Aldeia Mariazinha, 07 de dezembro de 2012.


                             Associação União das Aldeias Apinajé - PEMPXÀ

                                      
Viatura da SESAI, apreendida ( e guardada) na aldeia Mariazinha.
(foto: PEMPXÀ)
Posto de saúde da aldeia Mariazinha.
(foto: PEMPXÀ)
No posto de saúde,o atendimento é precário.
(foto: PEMPXÀ)

A água consumida pela comunidade, pode está contaminada.
(foto: PEMPXÀ)

Existe sérios riscos de doenças.
(foto: PEMPXÀ)

Bomba d'água da aldeia Mariazinha, queimada há 3 meses.
(foto: PEMPXÀ)

Omissão e descaso do PBI e SESAI, a comunidade está indignada.
(foto: PEMPXÀ)


No posto de saúde da aldeia, a viatura apreendida.
(foto: PEMPXÀ)

Comunidade espera uma solução da SESAI e PBI de  Tocantinópolis.
(foto: PEMPXÀ)
                                         

Comentários

  1. Pedimos os parceiros e aliados da causa indígena, que nos ajude cobrar explicações e esclarecimentos do PBI de Tocantinópolis-TO, DSEI-TO e SESAI, sobre esses fatos que estamos denunciando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

EXTRATIVISMO DO BABAÇU NA TERRA INDÍGENA APINAJÉ

MULHERES APINAJÉ REALIZAM OFICINA SOBRE EXTRAÇÃO DO BABAÇU
Com a finalidade de multiplicar e transmitir conhecimentos, saberes e práticas sobre a extração e aproveitamento do coco babaçu aos mais jovens,nos dias 18 e 19 de dezembro de 2013, foi realizada na aldeia Areia Branca, no município de Tocantinópolis, Estado do Tocantins, 2ª etapa da Oficina das Mulheres Indígenas Apinajé Sobre A Extração e o Beneficiamento do Babaçu. O evento foi realizado pelas mulheres Apinajé, com apoio da CGETNO/FUNAI/BSB e CTL de Tocantinópolis (TO).  Ao menos 40 lideranças mulheres vindas de 18 aldeias participaram da oficina.        A 1ª etapa da Oficina de Intercâmbio Sobre a Extração e Beneficiamento do Babaçu, foi realizada nos dias na aldeia Mariazinha e contou com a participação de (3) três mulheres do MIQCB-Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu da cidade de São Miguel do Tocantins (TO), que vieram compartilhar com as mulheres Apinajé, suas experiências e práticas sobre as ativid…

CONHEÇA NOSSA HISTÓRIA E CULTURA

POVO APINAJÉ: CULTURA E RESISTÊNCIA NO NORTE DO TOCANTINS


 1.Pertencemos ao tronco linguístico Macro-Gê, família linguística Gê. A nossa população atual é de 2.187 pessoas, aproximadamente. Das 27 aldeias hoje existentes, a mais populosa é a Aldeia São José com 392 pessoas, seguida da aldeia Mariazinha com 280. Temos 4 aldeias (Abacaxi, Palmeiras, Bonito e Girassol) com mais de 100 habitantes e 21 aldeias com menos de 100 habitantes.
1.1 Breve Histórico do Contato             Os dados são de citações das publicações de Curt Nimuendajú, que esteve com o povo Apinajé nos anos 1928, 1930, 1931, 1932 e 1937, fazendo pesquisa etnográfica e empreendeu extensa pesquisa documental no Brasil e na Europa.
- O primeiro contato documentado dos Apinajé com não-indígenas foi em 1774: Antônio Luiz Tavares que viajava de Goiás para Belém, na Cachoeira das Três Barras, foi cercado pelos indígenas em canoas e por terra e teve que se entrincheirar em uma ilha. Em 1793, Thomas de Souza Villa Real, descendo …