Pular para o conteúdo principal

SESAI INICIA IMPLANTAÇÃO DE SAA-SISTEMA DE ABASTECIMENTO EM ALDEIA APINAJÉ



     No último dia 05/02/2013, quarta-feira , tiveram inicio os trabalhos de implantação do SAA-Sistema de Abastecimento de Água da aldeia Abacaxi, localizada na TI. Apinajé a 18 km de Tocantinópolis, no norte do Estado do Tocantins. A perfuração do poço artesiano já foi concluída. Sendo que a SESAI, tem o prazo de 60 dias para concluir a obra.
     A implantação do SAA-Sistema de Abastecimento de Água, na aldeia Abacaxi, está acontecendo agora depois de (6) seis anos de reivindicações, cobranças e muitos sofrimentos dos moradores dessa aldeia formada por (20) vinte famílias, totalizando uma população de 116 pessoas, sendo em sua maioria crianças. Além da falta de água tratada, os moradores também se queixam da ausência de banheiros e a não coleta de lixo, pela prefeitura de Tocantinópolis -TO.
    Sofrimento igual vivem a população das outras (27) vinte e sete aldeias Apinajé reconhecidas, que sofrem e vivem com precárias, ou sem nenhuma estrutura de saneamento básico. Até agora somente (9) nove aldeias foram beneficiadas com SAA- Sistemas de Abastecimentos de Água, em (6) seis existem banheiros e em nenhuma aldeia acontece coleta de lixo. Sem esses serviços de saneamento básico, a situação dessas comunidades é critica. Nessa época do ano, especialmente as crianças sofrem com complicações de diarreias, gripes, verminoses, febres e outras viroses. A população das aldeias onde existem alguma estrutura de saneamento básico, também reclamam de banheiros caindo os pedaços, vasos sanitários que não funcionam e de torneiras e canos quebrados.
   Mesmo os gestores da FUNASA, DSEI-TO e SESAI afirmando que a aldeia Palmeiras já foi beneficiada com SAA-Sistema de Abastecimento de Água, a população daquela aldeia, contesta essa informação e reclamam que o poço artesiano nunca foi perfurado e somente parte da estrutura do SAA- Sistema de Abastecimento Água, foi implantado naquela comunidade. No local foram montadas, uma bomba, caixa, d’água, os encanamentos e torneiras, porém a água é captada e bombeada do ribeirão Botica, que corre à 300 metros da aldeia. Dessa forma a comunidade continua na mesma, consumindo água suja e poluída do ribeirão.
   Outro problema são as bombas, que quando são danificadas (ou queimadas), o PBI e SESAI demoram fazer os consertos e reparos necessários. Um dos caso aconteceu, no final do ano passado, quando a população das aldeias Mariazinha e Bonito, ficara (90) noventa dias sem água tratada. E no momento a população da aldeia Patizal reclamam que estão desde o mês de outubro sem água nas torneiras. Um curto-circuito teria sido o responsavel pelo problema na bomba, lembrado que os cabos, fios e instalações elétricas dessas bombas são velhas e podem está estragados
    A chefia do PBI, de Tocantinópolis-TO, Cimei Gomes de Sousa, sempre é informada dessas situações, mas não toma nenhuma medida para resolver os problemas. No caso ocorrido em 03/12/12 na aldeia Mariazinha, a população se viu obrigada a apreender uma viatura da SESAI, para que a situação fosse resolvida.


Aldeia Patizal, 19 de fevereiro de 2013.


Associação União das Aldeias Apinajé PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …