Pular para o conteúdo principal

MEIO AMBIENTE



SEMINÁRIO: MUDANÇAS CLIMÁTICAS RISCOS DE DESASTRES
Participantes do Seminário Mudanças Climáticas e Riscos de Desastres, no CCB-Centro Cultural de Brasília (DF)   (foto: set. 2013)




















       No período de 16 a 20 de setembro de 2013, participamos no CCB-Centro Cultural de Brasília, no DF,do Seminário Mudanças Climáticas e Riscos de Desastres. O evento teve a participação de 23 representantes de Entidades e Organizações da Sociedade Civil de todas as regiões do Brasil e Exterior. O Seminário foi realizado pela Agência de Cooperação Fastenopfer, ou Ação Quaresmal Suíça. A finalidade foi preparar as comunidades rurais e urbanas, ameaçadas e atingidas, para uma análise das mudanças climáticas e o planejamento de ações e alternativas de adaptação e mitigação dos impactos; tendo em vistas as rápidas alterações observadas no clima em todo o Planeta e as graves consequências para vida dos povos mais empobrecidos.
As intervenções humanas no meio ambiente estão alterando o clima na
terra. (foto: Antônio Veríssimo. Jan. 2013)



     Ivo Poleto, assessor do Fórum: Mudanças Climáticas e Justiça Social, enfatizou que, é fundamental a compreensão da questão das Mudanças Climáticas no ponto de vista da Justiça Social e lembrou que nas últimas décadas temos observado graves alterações climáticas em nosso País, o que tem resultado no agravamento das secas, enchentes,  incêndios, doenças, sede e fome. Ivo Poleto alertou que atualmente existem milhares e milhares de pessoas vivendo em áreas de riscos, que já estão sendo diretamente ameaçadas ou afetadas em todas as regiões do Brasil.
  Durante o Seminário os pesquisadores e representantes de ONGs-Organizações Não Governamentais, apresentaram dados e informações do Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas-IPCC (Relatório de 2007), mostrando que as emissões de gases do efeito estufa pelos países “desenvolvidos” e em desenvolvimento, estão provocando o rápido aquecimento do planeta. Neste caso a culpa maior tem sido atribuída os Países ricos do Hemisfério Norte que não estão cumprindo Acordos Internacionais de Redução de CO2; considerando que do ponto de vista da ciência este tem sido um fator determinante para o aumento da temperatura em escala global.
    As palavras dos pesquisadores e os relatos dos representantes das comunidades rurais e urbanas do Semiárido nordestino, da Amazônia, do Cerrado e Mata Atlântica, não deixa nenhuma dúvida; doravante devemos incluir definitivamente a pauta Mudanças Climáticas em nosso dia a dia e nos mobilizar para cobrar dos Governos políticas públicas e medidas preventivas e adaptativas para convivência com essa nova realidade de Mudanças do Clima.

Terra Indígena Apinajé, setembro de 2013.

Associação União das aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…