Pular para o conteúdo principal

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Cassiano Apinagé, Mestre em Ciências do Ambiente. (foto: Odair Giraldin/UFT)
Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicina, direito, pedagogia e antropologia.

Mas, para os indígenas só o conhecimento técnico e cientifico adquirido nas salas de aulas não basta. Para continuarem existindo num mundo extremamente globalizado, insensível, intolerante, competitivo e desigual esses povos dependem e precisam ficar intimamente ligados à suas origens, tradições, praticas culturais, modos de vida e religiosidades.

Aliás, nesse sentindo a educação formal deveria caminhar junto com a educação tradicional. O processo de ensino da escola formal, ofertada pelo Estado, não pode excluir e negar a forma tradicional indígena de aprender e ensinar. Mas, ambas podem se complementar; ampliando conhecimentos e enriquecendo saberes da diversidade étnica e cultural do país.

As lutas e sacrifícios dos indígenas Apinajé, para se alfabetizar, cursar o ensino fundamental, ensino médio, entrar e se manter numa Universidade não tem sido fácil. As dificuldades e obstáculos que os acadêmicos enfrentam são tantos, que até o momento só um indígena desta etnia conseguiu fazer um Mestrado.

Ter que sair da comunidade e se afastar alguns tempos da família são barreiras que muitos não conseguem vencer. Mas, o caráter, a força de vontade e a determinação de Cassiano Sotero Apinagé, foram decisivos para superar essas dificuldades e obstáculos.  O indígena iniciou seus estudos em março de 2015 e em dezembro de 2017 conseguiu concluir o Curso de Pós-graduação em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins em Porto Nacional - TO.

A apresentação da Dissertação para obtenção do grau Mestre no Curso de Ciências do Ambiente aconteceu no último dia 11/11/2017 na cidade de Palmas - TO. Uma importante conquista não só para o Cassiano, mas, um exemplo e motivação para muitos jovens indígenas que sonham chegar à Universidade e concluir um Mestrado. A comunidade da aldeia São José, aonde nasceu e vive, também saiu vitoriosa, já que Cassiano há mais de 20 anos atua de forma profissional na área da educação junto a seu povo.

Pelo conhecimento que tem de sua cultura, e em razão do respeito na comunidade, Cassiano ainda se destaca como liderança agindo em defesa dos direitos sociais, ambientais e territorial dos Apinajé. Junto com outras líderes sempre se posiciona de forma coerente e decisiva por melhorias e atenção das políticas públicas dos órgãos do Estado para as comunidades Apinajé. 

Neste Curso de pós-graduação em Ciências do Ambiente, Cassiano teve como orientador o Prof. Odair Giraldin, da Universidade Federal do Tocantins-UFT. Esse importante líder contou ainda com apoio da família, e dos amigos indígenas e não-índios, que admiram (os) sua trajetória, respeitam (os) sua postura e acreditam (os) em seu potencial. 


Terra Apinajé, 27 de dezembro de 2017

Associação União das Aldeias Apinajé-Pempxà

Comentários

  1. Deixo aqui meus sinceros agradecimento a Liderança Mestre Apinajé em ciências cientificas, é um fator fundamental no mundo globalizados ....Sucesso, que mais Apinajé se formam em nível mais elevado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ



Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.

A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.


Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e teve o apoio de CT…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

EXTRATIVISMO DO BABAÇU NA TERRA INDÍGENA APINAJÉ

MULHERES APINAJÉ REALIZAM OFICINA SOBRE EXTRAÇÃO DO BABAÇU
Com a finalidade de multiplicar e transmitir conhecimentos, saberes e práticas sobre a extração e aproveitamento do coco babaçu aos mais jovens,nos dias 18 e 19 de dezembro de 2013, foi realizada na aldeia Areia Branca, no município de Tocantinópolis, Estado do Tocantins, 2ª etapa da Oficina das Mulheres Indígenas Apinajé Sobre A Extração e o Beneficiamento do Babaçu. O evento foi realizado pelas mulheres Apinajé, com apoio da CGETNO/FUNAI/BSB e CTL de Tocantinópolis (TO).  Ao menos 40 lideranças mulheres vindas de 18 aldeias participaram da oficina.        A 1ª etapa da Oficina de Intercâmbio Sobre a Extração e Beneficiamento do Babaçu, foi realizada nos dias na aldeia Mariazinha e contou com a participação de (3) três mulheres do MIQCB-Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu da cidade de São Miguel do Tocantins (TO), que vieram compartilhar com as mulheres Apinajé, suas experiências e práticas sobre as ativid…