Pular para o conteúdo principal

SEMANA DOS POVOS INDÍGENAS 2013.

Gercília, liderança do povo Krahô, fala aos estudantes da Escola Estadual Joaquim de Brito Paranaguá em Araguaína (TO), sobre a questão indígena. (foto: Antônio Veríssimo. 2013).

     Todos os anos no mês de abril, durante a semana dos povos indígenas, a pastoral indigenista Conselho Indigenista Missionário-CIMI, que é uma entidade vinculada a CNBB- Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, apoia as mobilizações indígenas em todo o Brasil. Aqui no Estado de Tocantins, na semana que antecede o 19/04, dia do índio, os missionários do CIMI regional GO/TO e lideranças dos povos, Apinajé Krahô e Carajá Xambioá, se mobilizaram fazendo intercâmbios e articulações, com a imprensa e instituições de ensino superior das cidades de Araguaína e Palmas no Estado do Tocantins.
     Este ano além da Campanha da Fraternidade, com o tema: Fraternidade e Juventude, a igreja católica irar realizar, um grande evento mundial, a Jornada Mundial da Juventude, que vai acontecer na cidade do Rio de Janeiro. Assim o tema Juventude Indígena: Tradição, luta e ousadia, foi escolhido também, para ser discutido durante essa Semana dos Povos Indígenas 2013. Com objetivo de buscar conhecimentos, fazer alianças e contribuir com a construção de uma sociedade justa e igualitária, no período de 16 a 19 de abril de 2013 estamos realizando nas Escolas Públicas e em Universidade da cidade de Araguaína (TO) palestras e esclarecimentos sobre a questão indígena. Durante as reuniões estão sendo apresentados fotos, vídeos e outros documentos mostrando a realidade indígena no Estado do Tocantins e no Brasil.
Acadêmicos do curso de Antropologia da Faculdade Católica D. Orione, 
ao lado da Professora e dos palestrantes, um missionário e um indígena,
em Araguaína (TO). (foto: FCDO.2013).
    Nossas atividades tiveram inicio no último dia 16/04/13, pela manhã no CEM-Centro de Ensino Médio Dr. José Aluísio Silva Luz em Araguaína (TO). No período da noite estivemos na Faculdade Católica Dom Orione, palestrando para acadêmicos do Curso de Antropologia.
     No dia 17/04/2013, não tivemos atividades durante o dia. E à noite voltamos à Faculdade Católica Dom Orione, falar aos acadêmicos do Curso de Direito.
     No dia 18/04/13, pela manhã, as atividades aconteceram na Escola Estadual Rui Barbosa e na Escola Estadual Joaquim de Brito Paranaguá. No  período da tarde voltamos novamente realizar atividades na Escola Joaquim de Brito Paranaguá. E hoje dia 19/04, pela manhã vamos visitar a Escola Francisco Máximo de Sousa e no período da tarde a Escola Municipal, Vereador Raimundo Falcão Coelho.
     Durante as conversas que tivemos com os estudantes, compartilhamos os problemas e violências que estamos sofrendo nas aldeias, falamos sobre a saúde, terras, PECs 215, 038 e 37, Portaria 303 da AGU, direitos indígenas e grandes projetos. Durante as palestras, explicamos aos jovens estudantes e acadêmicos sobre as mobilizações e protestos que estão ocorrendo em Brasília (DF) nesse período. Os estudantes, professores e diretores, demostraram bastante interesse com os assuntos tratados; fazendo perguntas e questionando as questões e problemas apresentados. No final os Acadêmicos de Antropologia, demostraram interesses em conhecer uma aldeia indígena da região norte do Estado do Tocantins.




Araguaína (TO), 19 de abril de 2013.




Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

  1. Parabenizo pela iniciativa, creio que ela traz um marco importante para as escolas, no sentido das mesmas conhecerem a “voz indígena”, o que vai além de fotografias em livros didáticos. Percebo que a noção de cidadania neste caso foi ampliada, pois a construção de uma sociedade justa passa, necessariamente entre outras questões, por uma análise cuidadosa dos problemas e desafios que os povos indígenas estão enfrentando para sua sobrevivência e transcendência.
    Krãkamrêk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…