Pular para o conteúdo principal

SEMANA DOS POVOS INDÍGENAS 2013.

Gercília, liderança do povo Krahô, fala aos estudantes da Escola Estadual Joaquim de Brito Paranaguá em Araguaína (TO), sobre a questão indígena. (foto: Antônio Veríssimo. 2013).

     Todos os anos no mês de abril, durante a semana dos povos indígenas, a pastoral indigenista Conselho Indigenista Missionário-CIMI, que é uma entidade vinculada a CNBB- Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, apoia as mobilizações indígenas em todo o Brasil. Aqui no Estado de Tocantins, na semana que antecede o 19/04, dia do índio, os missionários do CIMI regional GO/TO e lideranças dos povos, Apinajé Krahô e Carajá Xambioá, se mobilizaram fazendo intercâmbios e articulações, com a imprensa e instituições de ensino superior das cidades de Araguaína e Palmas no Estado do Tocantins.
     Este ano além da Campanha da Fraternidade, com o tema: Fraternidade e Juventude, a igreja católica irar realizar, um grande evento mundial, a Jornada Mundial da Juventude, que vai acontecer na cidade do Rio de Janeiro. Assim o tema Juventude Indígena: Tradição, luta e ousadia, foi escolhido também, para ser discutido durante essa Semana dos Povos Indígenas 2013. Com objetivo de buscar conhecimentos, fazer alianças e contribuir com a construção de uma sociedade justa e igualitária, no período de 16 a 19 de abril de 2013 estamos realizando nas Escolas Públicas e em Universidade da cidade de Araguaína (TO) palestras e esclarecimentos sobre a questão indígena. Durante as reuniões estão sendo apresentados fotos, vídeos e outros documentos mostrando a realidade indígena no Estado do Tocantins e no Brasil.
Acadêmicos do curso de Antropologia da Faculdade Católica D. Orione, 
ao lado da Professora e dos palestrantes, um missionário e um indígena,
em Araguaína (TO). (foto: FCDO.2013).
    Nossas atividades tiveram inicio no último dia 16/04/13, pela manhã no CEM-Centro de Ensino Médio Dr. José Aluísio Silva Luz em Araguaína (TO). No período da noite estivemos na Faculdade Católica Dom Orione, palestrando para acadêmicos do Curso de Antropologia.
     No dia 17/04/2013, não tivemos atividades durante o dia. E à noite voltamos à Faculdade Católica Dom Orione, falar aos acadêmicos do Curso de Direito.
     No dia 18/04/13, pela manhã, as atividades aconteceram na Escola Estadual Rui Barbosa e na Escola Estadual Joaquim de Brito Paranaguá. No  período da tarde voltamos novamente realizar atividades na Escola Joaquim de Brito Paranaguá. E hoje dia 19/04, pela manhã vamos visitar a Escola Francisco Máximo de Sousa e no período da tarde a Escola Municipal, Vereador Raimundo Falcão Coelho.
     Durante as conversas que tivemos com os estudantes, compartilhamos os problemas e violências que estamos sofrendo nas aldeias, falamos sobre a saúde, terras, PECs 215, 038 e 37, Portaria 303 da AGU, direitos indígenas e grandes projetos. Durante as palestras, explicamos aos jovens estudantes e acadêmicos sobre as mobilizações e protestos que estão ocorrendo em Brasília (DF) nesse período. Os estudantes, professores e diretores, demostraram bastante interesse com os assuntos tratados; fazendo perguntas e questionando as questões e problemas apresentados. No final os Acadêmicos de Antropologia, demostraram interesses em conhecer uma aldeia indígena da região norte do Estado do Tocantins.




Araguaína (TO), 19 de abril de 2013.




Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

  1. Parabenizo pela iniciativa, creio que ela traz um marco importante para as escolas, no sentido das mesmas conhecerem a “voz indígena”, o que vai além de fotografias em livros didáticos. Percebo que a noção de cidadania neste caso foi ampliada, pois a construção de uma sociedade justa passa, necessariamente entre outras questões, por uma análise cuidadosa dos problemas e desafios que os povos indígenas estão enfrentando para sua sobrevivência e transcendência.
    Krãkamrêk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …