Pular para o conteúdo principal

DIREITOS INDÍGENAS

Exclusivo: Petrolífera se retira de terra de tribos isoladas


15 Março 2017 
Salomon Dunu, homem Matsés que sobreviveu ao trauma do primeiro contato, fala com uma pesquisadora da Survival sobre a ameaça da exploração de petróleo ao seu povo. Um vídeo de Salomon foi visto por mais de 4 milhões de pessoas na página do Facebook da Survival.
© Survival
Uma empresa petrolífera canadense disse à Survival International que irá se retirar do território de diversas tribos isoladas na Amazônia peruana, onde pretendia explorar petróleo.
A empresa, Pacific E&P, havia recebido a concessão para explorar petróleo em uma grande porção da Fronteira Isolada Amazônica, uma área de imensa biodiversidade que é lar para mais tribos isoladas que em qualquer outro lugar no mundo. A petrolífera começou sua primeira fase de exploração de petróleo em 2012.
A retirada ocorre após anos de campanhas realizadas pela Survival International e diversas organizações indígenas peruanas, incluindo AIDESEP, ORPIO, e ORAU. A ORPIO está processando o governo devido à ameaça de exploração de petróleo.
Milhares de apoiadores da Survival protestaram enviando emails ao presidente da empresa, pressionando o governo peruano, e contatando a empresa através das redes sociais.
A Survival também divulgou uma carta aberta, protestando a ameaça de exploração do petróleo, que foi assinada pela Fundação Rainforest da Noruega e ORPIO. Campanhas contínuas ajudaram a gerar atenção sobre o tema no Peru e ao redor do mundo.
Os Matsés dependem e cuidam de uma grande área da Fronteira Isolada Amazônica há gerações.
© Christopher Pillitz
Em carta, o gerente de Sustentabilidade e Relações Institucionais da Pacific E&P disse que: "[A empresa] decidiu renunciar seus direitos sobre exploração de petróleo no bloco 135… imediatamente… Queremos reiterar o compromisso da empresa de conduzir suas operações de acordo com as mais elevadas diretrizes de sustentabilidade e direitos humanos.”
Em uma reunião indígena no fim de 2016, um homem Matsés, cuja tribo foi forçada a fazer contato no fim do século 20, disse: “Não quero meus filhos destruídos pelo petróleo. Daí vem a razão da defesa… por isso, estamos aqui reunidos, Matsés. As petroleiras vão trazer o pior e com tal afronta, não vamos ficar calados, sendo explorados em nossa própria casa. Se for necessário morrer, vamos morrer na guerra contra o petróleo.”
A exploração de petróleo envolve a contínua invasão de terras, o que pode aumentar drasticamente o risco de contato forçado com tribos isoladas. Isso as deixa vulneráveis à violência de estranhos que roubam suas terras e recursos, e a doenças como a gripe e o sarampo, às quais não têm resistência.
O anúncio de que a exploração não irá em frente foi recebido com satisfação por muitos como um passo significante na luta para proteger as terras, vidas e direitos humanos dos povos indígenas isolados.
O diretor da Survival, Stephen Corry, disse: “Essa é uma ótima notícia para a campanha global pelas tribos isoladas e para todos aqueles que querem parar o genocídio que ocorre nas Américas desde a chegada dos colonizadores. Todas as tribos isoladas enfrentam uma catástrofe, a não ser que suas terras sejam protegidas. Nós acreditamos que elas são uma parte vital da diversidade humana e merecem que seu direito à vida seja protegido. Nós continuaremos a liderar a luta para deixá-las viver.”
A região inclui a Serra do Divisor, uma região única e extremamente biodiversa conhecida por suas montanhas em forma de cone.
© Diego Perez
Contexto
▪ O bloco exploratório 135 fica dentro da reserva indígena proposta de Yavarí Tapiche. A organização nacional indígena do Peru AIDESEP pede a criação da reserva há mais de 14 anos.
▪ Parte da área concedida para a exploração de petróleo fica no recém-criado Parque Nacional da Serra do Divisor. O governo peruano concedeu à Pacific E&P os direitos de explorar dentro do parque.
▪ A região de Yavarí Tapiche é parte da Fronteira Isolada Amazônica. Essa área se estende ao longo da fronteira do Brasil e Peru e é lar de mais tribos isoladas do que em qualquer outro lugar no mundo.
▪ O Peru ratificou a Convenção n° 169 da OIT sobre Povos Indígenas e Tribais, a lei internacional para os povos indígenas, que requer que o país proteja os direitos territoriais das tribos.
▪ Sabemos muito pouco sobre as tribos isoladas da área. Acredita-se que alguns sejam Matsés, mas também existem outros povos nômades e isolados na região.
A Fronteira Isolada Amazônica, uma grande área na fronteira entre o Brasil e o Peru, é lar para a maior concentração de tribos isoladas do mundo.
© Survival International
Os indígenas isolados não são atrasados ou relíquias primitivas de um passado remoto. Eles são nossos contemporâneos e parte vital da diversidade humana. Onde seus direitos são respeitados, eles continuam a prosperar.
Seu conhecimento é insubstituível e foi desenvolvido ao longo de milhares de anos. Os indígenas isolados são os melhores guardiões de seu ambiente. E evidências provam que territórios indígenas são as melhores barreiras ao desmatamento.
Todas as tribos isoladas enfrentam uma catástrofe, a não ser que suas terras sejam protegidas. Estamos fazendo tudo o que podemos para garanti-las a essas tribos e dar-lhes a oportunidade de determinar seus próprios futuros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…