Pular para o conteúdo principal

A TRAGÉDIA ANUNCIADA PELO GOVERNO E OS POVOS INDÍGENAS



      Durante reunião com lideranças dos povos da região do Xingú, Tapajós e Tele Pires (Munduruku), que aconteceu no último dia 04/06/13 em Brasília (DF), o Ministro Secretário Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou que “Os projetos de interesses do governo, vão continuar”. Na mesma reunião Gilberto Carvalho, teria alertado que o governo não vai aceitar (ou tolerar) mais ocupações e que será reforçada a segurança no canteiro de obras da UHE de Belo Monte. Desde inicio deste ano que a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu, tem aumentado o tom, fazendo discursos inflamados, questionando o tamanho das terras indígenas e pregando o uso da violência contra os povos indígenas. Já o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso e a Ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmam falam em “mudar as regras” de demarcações de terras indígenas. Isso significar que os próprios fazendeiros poderão decidir se uma determinada terra indígena pode ser demarcada ou não. Isso é um absurdo.
      Lamentavelmente essas são as providências do Governo Federal para por fim os confrontos e as mortes de indígenas que estão acontecendo País a fora. Agindo de forma irresponsável com ironia, arrogância e autoritarismo, além de não apontar nenhuma solução, às autoridades desse governo estão dispostos e prometem intensificar o uso do aparato militar e policial para sufocar, reprimir e liquidar qualquer manifestação indígena contrária aos interesses políticos e econômicos das empresas do setor elétrico, das mineradoras, dos madeireiros e do agronegócio, ou seja, os projetos que o governo diz que são de seu interesse vão continuar sendo implantados a qualquer custo. O resto é que se dane.
     A regra agora é levar ao judiciário todos os litígios que envolvem os indígenas. Aproveitando se do clima tenso nas áreas de conflitos, fica mais cômodo para os “interessados” se esconderem por trás de Mandatos Judiciais e assim justificar o uso da policia para matar as lideranças indígenas. A conivência e omissão do governo levou a essa grave situação que é mais séria do que se imagina e está assumindo as características trágicas de uma guerra civil, que se “justifica” não só pela questão da terra, mas por razões étnicas, raciais, culturais e sociais. No caso da execução de Oziel Gabriel Terena em MS, os policiais alegaram simplesmente o cumprimento do Mandato Judicial e os fazendeiros estão festejando; dizendo que “lei” foi cumprida. Se nada for feito pelas autoridades, mais mortes vão acontecer. É dessa forma que o governo da presidenta Dilma Rousseff, está resolvendo essa delicada questão fundiária, ambiental e social que envolve os chamados “projetos de interesses do governo” e vida dos povos indígenas.
    Para complicar ainda mais a situação, algumas pessoas no “calor das emoções” usam os veículos da imprensa para espalhar boatos e mentiras, provocando mais confusão na cabeça da população. Tal atitude irresponsável só está contribuindo para acirrar a animosidade, fomentar o ódio e potencializar os episódios de violências contra as minorias indígenas em todo o País. O papel do jornalista é ouvir os dois lados e divulgar a notícia como ela aconteceu e (ou está acontecendo) não ficar fazendo comentários e emitindo opinião, dando direcionamento político em favor do A ou do B. De forma nenhuma vamos ficar calados aceitando e concordando com tudo que o governo quer e a grande imprensa divulga, sem nos ouvir e (ou) consultar. Diante dessa situação exigimos também nosso direito de resposta.
    Logicamente nunca aceitaremos que nossos projetos de vida sejam jogados na lata de lixo. Por isso temos nos revezado e vamos continuar em protestos, denunciando essas violações de nossos direitos. Por essa razão é que temos nos mobilizado pedindo a revogação da Portaria 303 e pelo arquivamento das PECs que tramitam no Congresso Nacional. Clamamos pelo cumprimento dos art. 231 e 232 da Constituição Federal e o respeito à Convenção 169 da OIT e a Declaração da ONU Sobre os Direitos dos Povos Indígenas; tratados e acordos internacionais que o Brasil é signatário. Exigimos que as autoridades cumpram e respeitem as normas e leis que nos garantem o direito de sermos ouvidos, considerados e consultados pelo governo antes de decidir e aprovar qualquer projeto que ameaça modificar, impactar e prejudicar nossas vidas futuras. Exigimos que as autoridades respeitem nossa dignidade, nossos espaços de vida e nosso sagrado direito de existir. 


Terra indígena Apinajé, 06 de junho de 2013.




Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …