Pular para o conteúdo principal

AGROECOLOGIA

III Encontro Tocantinense de Agroecologia será realizado na aldeia Cipozal

      As condições precárias e a manutenção das estradas vicinais de acesso à aldeia Patizal, não foram resolvidas a tempo e o III Encontro Tocantinense de Agroecologia, não será mais realizado naquela comunidade, conforme ficou decidido. 
       Entre os dias 05 a 11 de novembro de 2017, após avaliação das condições daquelas estradas, as lideranças Apinajé e parceiros do CIMI, que fazem parte da Comissão Organizadora em comum acordo decidiram que o Encontro será realizado na aldeia Cipozal na data prevista, ou seja, nos dias 23 a 26 de novembro de 2017. 
      Na semana passada as lideranças Apinajé e membros da Comissão Organizadora do Encontro tentaram uma conversa com prefeito Paulo Gomes de Sousa para solicitar recuperação do trecho mais critico da estrada, mas foram informados que o mesmo estava viajando. Na conversa que tiveram com o Sr. Salomão, secretario de Agricultura, o mesmo afirmou que a prioridade do município são as estradas da região da aldeia São José.
       Até o momento o CIMI, COEQTO, MAB, MST, EFA, FETAET, MIQCB, COMSAUDE, CPT, APA-TO, COOPTER, confirmaram presenças. Além dessas organizações sociais, indigenistas e camponesas, lideranças indígenas representantes dos povos Xerente, Carajá Xambioá e Krahô estão sendo esperadas no III Encontro Tocantinense de Agroecologia.
       Os serviços de organização da estrutura na aldeia Cipozal estão em andamento. Acreditamos que até o dia 20/11, tudo estará pronto para receber os mais de 300 participantes do Encontro. O povo Apinajé, está feliz em acolher os amigos e parceiros nesse grande evento. Confira abaixo mais informações sobre o III Encontro Tocantinense de Agroecologia.



CONVITE E ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO


Seguindo o caminho de conhecer e reconhecer as diferentes formas de expressões da agroecologia desenvolvidos em diferentes territórios do Tocantins pelos/as camponeses/as, agricultores/as familiares, comunidades e populações tradicionais, povos indígenas, a Articulação Tocantinense de Agroecologia (ATA) os/as convida para participar do III Encontro Tocantinense de Agroecologia que  ocorrerá entre os dias 23 a 26 de Novembro de 201,  na Aldeia Cipozal, no Território Indígena Apinajé,  no município de Tocantinópolis 

Este encontro que prevê a participação de aproximadamente de 300 pessoas de todas as regiões do Tocantins ligadas as organizações envolvidas na construção da agroecologia, tem como objetivos: (I) Fortalecer a articulação entre os povos originários, comunidades tradicionais e camponeses que atuam no campo agroecológico e consolidar as estratégias de atuação da ATA; (II) Promover a divulgação e a troca de conhecimento das práticas agroecológicas e; (III) Reafirmar a importância da agroecologia, em contraposição ao agronegócio, como base para a garantia da soberania e segurança alimentar, produção sustentável e promoção da economia ecológica, popular e solidária. 
A construção deste encontro tem sido coletiva e a organização do evento está sob a responsabilidade da Associação PEMPXÀ, APA-TO, CIMI, COEQTO, COMSAUDE, CPT, COOPTER, EFA de Porto Nacional, FETAET, MIQCB, MAB, MST e UNMP-TO.


Programação

Período/ Dia
23/11/17 (Quinta Feira)
24/11/17 (Sexta Feira)
25/11/17 (Sábado)
26/11/17 (Domingo)
Manhã:  acolhida 

Mesa de abertura:

Apresentação do Território Indígena Apinajé:  História de luta e resistência e a cultura do bem viver e sua relação com a Agroecologia. 

Visita para conhecer e sentir os ambientes da Aldeia Cipozal

Cantoria com o Povo Krahô e outros

Roda de troca de sementes e produtos

Oficinas temáticas: 

Falas sobre estratégias para o Bem Viver pelos Povos Indígenas, Quilombolas, Quebradeiras de coco, Camponês 

Aprovação Carta Política do Encontro 

Encaminhamentos finais

Encerramento 


Período/ Dia
23/11/17 (Quinta Feira)
24/11/17 (Sexta Feira)
25/11/17 (Sábado)
26/11/17 (Domingo)
Tarde Chegada dos participantes e inscrição 
Painel: Realidades dos Direitos Territoriais e do Bem Viver das Populações Tradicionais e Camponesa (quebradeiras de coco, indígenas, quilombolas e movimento camponês)

Análise de conjuntura: Terra e Território   Alfredo Wagner Silvio Porto

Momento de integração:  Brincadeira de arco e flecha

Apresentação das discussões das oficinas

Palestra sobre a importância da agroecologia para a promoção do bem viver dos povos e comunidades tradicionais
Feira agroecológica e expressão cultural do artesanato.

Tenda do artesanato: Confecção de artesanatos diversos

Noite:   Cinema agroecológico

Noite cultural:?

Distribuição das vagas: As organizações mobilizadoras deverão mobilizar os/as participantes considerando o número de vagas previstas e o perfil do público.

Organização mobilizadora

Nº de participantes: 285

Responsável: CIMI (Povo Apinajé, Xerente e Krahô) 120 Laudovina, COEQTO20 Cida, MAB 15 Maria e Augustinho, MST 15 Marcos, EFA Bico 10 Sineide, EFA Porto 10 Elisa,EFA São Salvador 10 Cirineu, FETAET 15 Antônio de Sá, MIQCB 15 Socorro, CPT 15 Evandro e Felipe, Matinha 5 Valdivino, APA-TO 15 Yuki, COOPTER  15 Juraildes. Outros; 5 Paulão.  Total participante 285.

RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES: Estar aberto a vivenciar a realidade e a forma de vida do Povo Indígena Apinajé é um ponto que está intrínseco na metodologia de todo o evento. Por isso, é muito importante que as organizações mobilizadoras, orientem os/as participantes que estão inscritos para participar do encontro.  

No encontro pretendemos “misturar os sabores” da comida do povo Apinajécom a dos camponeses, durante o preparo da alimentação, por isso o sabor será único e não comum ao que estamos acostumados,
E para garantir o bom andamento do encontro, recomendamos que quaisquer tipos de BEBIDAS ALCÓOLICAS não sejam trazidos para o evento pelos/as participantes.

Critérios de participação: Cada organização mobilizadora ficará responsável de mobilizar e organizar os/as participantes.  Deverão ser respeitados os critérios da composição dos participantes definidos pela comissão organizadora, sendo 80% de agricultores/as familiares, camponeses/as, povos indígenas e tradicionais e 20% assessores/as, pesquisadores/as e professores/as, buscando garantir pelo menos 50% de mulheres e 30% de jovens. Participação de crianças: haverá atividades paralelas destinadas para as crianças. Por isso, cada pessoa inscrita deverá informar na ficha de inscrição se levará crianças para o encontro. 

Prazos e Inscrição dos (as) participantes: O prazo para inscrição é até dia 27/10/2017 e a organização mobilizadora deverá enviar apenas a ficha síntese (em Excell) para o e-mail: yuki@apato.org.br, atentar-se para enviar todas as informações exigidas na ficha, com destaque para os dados de RG e CPF do participante para agilizar organização dos ônibus. Será considerado inscrito apenas as pessoas que enviarem a ficha de inscrição para a comissão organizadora. Após esta data as vagas não preenchidas serão redistribuídas entre as organizações antenas.


Inscrição nas Oficinas: Na ficha o/a participante deverá definir em qual oficina pretende participar, ressaltando que é um pré-inscrição, porque há um número limitado de vagas por oficina. Caso haja um número superior de inscritos em determinada oficina, o/a participante será convidado a escolher uma outra oficina, no ato da inscrição no evento, quando ocorrerá a confirmação em qual oficina irá participar. Especificamente, a oficina “Instrumentos de comunicação como alternativa para monitoramento do território e direitos”, a distribuição de vagas já está definida, sendo 7 para os povos indígenas e 8 para demais públicos. 

Transporte:As despesas de deslocamento dos (as) participantes da sua comunidade até a local do ônibus é de responsabilidade da organização a que pertence. O itinerário dos ônibus será definido após a inscrição dos/as participantes e será informado pelas organizações antena com antecedência. As organizações antenas que articularão seu próprio transporte, orientamos que dê preferência a vans, micro-ônibus e ônibus simples, em função das condições de estrada.


Alimentação e hospedagem:  A alimentação durante a viagem é de responsabilidade de cada organização antena ou participante.  Por isso, orientamos que cada participante traga o seu “frito”. A comissão organizadora assumirá as despesas de alimentação e hospedagem durante o evento. Cada participante deverá trazer o seu kit alimentação: colher, prato e copo. A hospedagem será na escola (poucos lugares), no galpão de palha ou em barracas de camping. Por isso, levar de preferência colchão, rede e corda ou barraca de camping.  


Materiais e produtos para troca e feirinha. Não deixem de trazer! As organizações e os/as participantes poderão trazer faixas, cartazes, instrumentos musicais, pinturas, fotografias, poesias, estandartes etc. Os/as participantes também devem se organizar para trazer sementes e mudas em bom estado de conservação para os momentos de troca e produtos para a feira. Os/as participantes terão disponíveis barracas simples para expor os seus produtos durante o encontro.Para as apresentações culturais: instrumentos musicais, roupas, material de teatro, poesia, música e dança.

Os artesões e artesãs: Os artesões e artesãs que quiseram fazer uma demonstração de como se confecciona o seu artesanato, haverá um espaço e um momento específico para isso.



Aldeia Cipozal, 13 de novembro de 2017



Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…