Pular para o conteúdo principal

DIREITOS HUMANOS


Especialistas da ONU defendem direito de indígenas à diversidade na educação

 AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Os Estados precisam trabalhar de forma construtiva com os povos indígenas para enfrentar barreiras à educação, incluindo a estigmatização da identidade indígena, discriminação nas escolas e barreiras linguísticas entre estudantes e professores, disseram especialistas da ONU às vésperas do Dia Internacional dos Povos Indígenas, comemorado na terça-feira (9).
“É imperativo que as instituições educacionais sejam construídas com um padrão de direitos humanos que seja inclusivo e respeite as culturas, visões de mundo e línguas dos povos indígenas”, disseram.
Gestão territorial e ambiental em comunidades indígenas é tema de seminário promovido pelo PNUD e parceiros. Foto: PNUD / Tiago Zenero
Especialistas da ONU chamaram atenção para o acesso de indígenas a um sistema educacional livre de discriminações. Foto: PNUD / Tiago Zenero
Aproximadamente dez anos depois de as Nações Unidas adotarem a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, crianças e jovens indígenas ainda não têm total acesso a formas adequadas de educação, alertou um grupo de quatro especialistas da ONU para os direitos indígenas em comunicado conjunto publicado na sexta-feira (5).
Em declarações às vésperas do Dia Internacional dos Povos Indígenas, comemorado na terça-feira (9), os especialistas pediram que os governos garantam sistemas educacionais livres de discriminação e culturalmente sensíveis aos povos indígenas, levando em conta suas línguas e suas histórias.
“Estados e povos indígenas precisam trabalhar juntos para garantir o direito dos últimos de estabelecer e controlar seus sistemas educacionais e instituições”, disseram Claire Charters, presidente do Fundo Voluntário da ONU para Povos Indígenas; Victoria Tauli-Corpuz, relatora especial da ONU para os direitos dos povos indígenas; Alvaro Pop Ac,  presidente do Fórum Permanente da ONU para Questões Indígenas; e Albert Barume, presidente do Mecanismo de Peritos da ONU sobre Direitos dos Povos Indígenas.
“A educação é empoderamento e é fundamental para a realização de todos os direitos da Declaração e dos tratados de direitos humanos internacionais”, disse Charters. “Infelizmente, as crianças e jovens indígenas frequentemente não têm acesso a formas de educação adequadas, acessíveis e apropriadas”.
A relatora especial Tauli-Corpuz levantou o tema da situação das meninas e mulheres indígenas, e pediu que governos deem atenção especial para garantir que elas tenham acesso à educação. Ela também afirmou que “os dados disponíveis mostram um padrão consistente de disparidade entre povos indígenas e não indígenas em termos de acesso à educação, retenção e conquistas em todas as regiões do mundo”.
“Os Estados precisam se engajar e trabalhar de forma construtiva com os povos indígenas para enfrentar barreiras à educação, incluindo a estigmatização da identidade indígena, discriminação nas escolas, barreiras linguísticas entre estudantes e professores”, disse Pop Ac. “Os esforços devem ser feitos para garantir que povos indígenas tenham acesso a educação que seja cultural e linguisticamente apropriada”.
Barume afirmou que o sistema educacional é chave para enfrentar as violações aos direitos humanos, reduzir a pobreza e criar oportunidades nas esferas econômica, social e cultural.
“A educação é um meio indispensável de realizar o direito dos povos indígenas à autodeterminação e sua capacidade e habilidade de perseguir seu próprio desenvolvimento econômico, social e cultural”, disse. “O direito à educação também apoia os compromissos por parte dos Estados em relação aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável com a visão de não deixar ninguém para trás”.
Os especialistas em direitos humanos pediram aos governos para “trabalhar com os povos indígenas em um espírito de parceria para retomar formas de educação baseadas nas línguas, crenças, valores e culturas indígenas e aumentar os esforços de combate à discriminação na educação que têm o efeito de impedir o acesso dos povos indígenas”.
“É imperativo que as instituições educacionais sejam construídas com um padrão de direitos humanos que seja inclusivo e respeite as culturas, visões de mundo e línguas dos povos indígenas”, concluíram.
Fonte: ACNUDH

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…