Pular para o conteúdo principal

LIDERANÇAS INDÍGENAS, CONFIRMAM NO MPF-TO, DENÚNCIAS DE FALHAS NO ATENDIMENTO À SAÚDE DOS POVOS APINAJÉ E KRAHÔ.


   Nesta segunda-feira, dia 25 de março de 2013, estivemos reunidos em Palmas (TO), na sede da Procuradoria da Republica no Estado do Tocantins, com o senhor, João Raphael Lima, Procurador do MPF-TO, com a finalidade de confirmar as denuncias de abandono e precariedade do atendimento à saúde indígena e cobrar verbalmente medidas cabíveis do MPF-TO, para corrigir as graves falhas dos gestores dos Polo Base Indígena–PBIs de Tocantinópolis -TO e Itacajá, da Secretaria Especial da Saúde Indígena –SESAI e do Distrito Sanitário Especial Indígena do Tocantins –DSEI-TO, na execução do atendimento à saúde das populações indígenas do Estado do Tocantins, especialmente, Apinajé e Krahô.
     Na ocasião, pedimos informações sobre a Ação Civil Pública, impetrada em 10 de dezembro de 2012, pelo Procurador do MPF-TO, senhor Álvaro Lutufo Manzano, em desfavor da União/SESAI. Tal medida foi adotada pelo MPF-TO, em razão das frequentes denuncias de abandono da saúde indígena no Estado do Tocantins, reclamações essas, que são feitas por todos os povos desse Estado. O Dr. João Raphael Lima, informou que a referida Ação Civil Pública está tramitando na Justiça Federal em Palmas (TO), aguardando julgamento.
    E lembramos que durante reunião ocorrida na cidade de Carolina (MA), no dia 20 de março de 2013, elaboramos e encaminhamos um documento repetindo essas graves denuncias com relação à essas falhas no atendimento à saúde dos povos Apinajé e Krahô, que precisam ser imediatamente apuradas pela, Fundação Nacional do Índio -FUNAI, Ministério Publico Federal -MPF-TO e Câmara da Procuradoria Geral da Republica -PGR. Dessa forma requeremos do MPF-TO, medidas judiciais cabíveis no sentido de obrigar a União/SESAI cumprir suas obrigações com a saúde da população indígena, oferecendo um atendimento digno, humano e adequado aos povos Apinajé e Krahô.




Aldeia São José, 26 de março de 2013.



Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …

MESTRADO

Escola, meio ambiente e conhecimentos

A busca persistente pelo conhecimento e o saber é condição fundamental para a evolução da pessoa humana e o desenvolvimento da sociedade em que vive. Por essa razão os povos indígenas e suas lideranças se superam preparando se para enfrentar questões e problemas comuns de suas comunidades, que a cada dia se apresentam cada vez mais desafiadores e difíceis.

Seja para defender seus territórios e suas culturas e, empreender lutas socioculturais e políticas para garantir direitos, seja para buscar uma carreira profissional, os indígenas por conta própria escolhem nas diversas áreas do conhecimento aquilo que gostam e querem seguir na vida.

Assim muitos indígenas estão se organizando e buscando na “educação diferenciada” condições e formas de resistir e garantir sua sobrevivência física e cultural numa conjuntura cada vez mais incerta e ameaçadora. Atualmente pelo esforço próprio alguns indígenas tocantinenses se formaram (ou estão se formando) em medicin…