Pular para o conteúdo principal

ALIANÇAS E COOPERAÇÃO

   PARCEIROS VISITAM TERRA INDÍGENA APINAJÉ

Lideranças Apinajé e parceiros debatem sobre a PEC 215. (foto Antônio Veríssimo. out. 2013)
      Nos dias 12 e 13 de outubro de 2013, aconteceu importante encontro de articulação do povo Apinajé, com entidades aliadas e apoiadores da causa indígena. O encontro aconteceu na aldeia Areia Branca; comunidade localizada na Terra Indígena Apinajé a 18 km da sede do município de Tocantinópolis, Estado do Tocantins, Norte do Brasil. Participaram do encontro as Coordenadoras e Missionárias (os) do Conselho Indigenista Missionário-CIMI regional GO/TO e o Senhor Tobias Buser representante da Ação Quaresmal Suíça (FASTENOPFER) e os diretores e associados da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ; caciques, lideranças, mulheres, professores e estudantes.
     Na noite, dia 12/10 sábado, Antônio Veríssimo, representante da Associação PEMPXÀ e Carlos Almeida, representante do CIMI regional GO/TO, que participaram do Seminário Mudanças Climáticas e Riscos de Desastres, realizado em Brasília, entre os dias 16 a 20 de setembro de 2013, apresentaram aos caciques informações sobre as causas, os impactos, os cenários e as possíveis lutas que podemos fazer contra as Mudanças Climáticas. Preocupados com essas ameaças, alertamos sobre a importância das Terras Indígenas e Quilombolas para a manutenção e equilíbrio do clima no Brasil. Analisando as informações científicas que estão sendo divulgadas pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas –IPCC e as alterações climáticas que estão acontecendo nas últimas décadas em nossa região, concluímos que as intervenções descontroladas e criminosas do homem sobre a natureza, são as principais causas da aceleração do Aquecimento Global e das mudanças do clima em todo o Planeta.
Desmatamentos irregular do cerrado no entorno da área 
Apinajé. (foto: Antônio Veríssimo. out, 2013)
      As discussões continuaram no dia 13/10. No período da manhã, os apoiadores apresentaram informações e fizeram esclarecimentos sobre as origens dos recursos financeiros que estão investindo nas comunidades indígenas. O representante da FASTENOPFER, senhor Tobias Buser, informou que essa entidade apóia as lutas das pessoas e dos povos mais necessitados em vários Países da África, América Latina e  Caribe. Disse que esses investimentos são pela garantia dos Direitos Humanos dos povos indígenas, quilombolas, camponeses e populações urbanas mais empobrecidas e oprimidas;“ Na esperança que possam por si mesmos continuarem suas lutas, mesmo depois que esse apoio financeiro terminar”. Senhor Buser, disse ainda que a entidade FASTENOPFER, também questiona os “negócios” das empresas da Suíça, se as mesmas estiverem violando os Direitos Humanos e agredindo o meio ambiente em qualquer País do Mundo.
      Por sua vez os representantes Apinajé, reclamaram e questionaram o não cumprimento das leis e as violações dos direitos constitucionais das minorias indígenas aqui no Brasil. Os caciques relataram as situações de precarização da saúde, a falta de saneamento básico, os grandes projetos de infraestrutura que afetam os Territórios Indígenas e as ameaças à própria Constituição Federal do Brasil. As lideranças repudiaram a Proposta de Emenda a Constituição-PEC 215/2000, Projetos de Lei e outras Proposições Legislativas que tramitam na Câmara dos Deputados e Senado Federal. E avaliamos que a tentativa de aprovar essa matéria não passa de imposição e abuso de poder político e econômico dos ruralistas, dispostos a agredir e desmontar a Constituição Federal, para desconstruir direitos e roubar as terras indígenas.
     Cientes dessas graves ameaças, concluímos que não temos outra opção, senão organizar, articular e mobilizar nosso povo pela anulação da PEC 215/2000 e outras propostas legislativas que estão ameaçando nossos Direitos. E que devemos continuar nossas lutas em defesa da Constituição Federal de 88 e a aplicação dos Artigos 231 e 232 na efetivação e garantia dos direitos das pessoas e do futuro da coletividade indígena.

Terra Indígena Apinajé, outubro de 2013.


Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…