Pular para o conteúdo principal

MOVIMENTO INDÍGENA

CHEGA DE VIOLÊNCIA: NÃO À PEC 215/2000


Policiais fazem barreiras para impedir acesso dos manifestantes indígenas ao Congresso Nacional. (foto: CIMI. Dez. 2014)
    Considerando que nos 400 anos após a invasão portuguesa, os colonizadores praticaram inúmeras violações de direitos humanos contra as etnias indígenas e as populações de matriz africana, que foram vitimas de humilhantes explorações, guerras de extermínio, genocídios, e tratamentos desumanos e cruéis perpetrados pelos bandeirantes, pelas oligarquias, pelos coronéis escravocratas e pelas religiões;

    Considerando que no decorrer do último século essas violências continuaram sendo praticadas contra nossos (antepassados) avós e pais, que sofreram perseguições promovidas por uma classe dominante e intolerante, que persiste em seguir discriminando, escravizando, criminalizando e oprimindo as minorias indígenas sobreviventes de um pavoroso e hediondo massacre, que o Estado Brasileiro deveria se envergonhar, pedir desculpas e reparar;

    Considerando que as autoridades brasileiras têm sido denunciadas por graves violações de direitos humanos, por conivências, omissões e/ou envolvimento direto em ocorrências de espancamentos, despejos, agressões físicas e verbais, prisões ilegal e assassinatos de lideranças indígenas, quilombolas e ambientalistas, em situações de conflitos fundiários, territoriais e ambientais;

      Considerando que o Brasil é signatário de pactos e acordos internacionais, e que as recomendações da Organização das Nações Unidas-ONU, e da Organização Internacional do Trabalho-OIT, que tratam da defesa e efetivação dos direitos sociais, culturais, ambientais e da autonomia dos Povos Indígenas, têm sido ignorados e não cumpridos pelo governo brasileiro.

DIANTE DOS FATOS EXPOSTOS:
Mulheres indígenas na manifestação. (foto: CIMI. Dez/14)
    A Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, vem a público, mais uma vez denunciar a recorrente violência e truculência dos Agentes do Estado Brasileiro, observados nas mobilizações indígenas, agindo contra as lideranças que se deslocam à Brasília/DF, para manifestar de forma pacífica pela manutenção e efetivação de direitos fundamentais, garantidos pela CF.

    Expressamos nossas contrariedades e repudiamos com veemência as prisões arbitrárias de Alexandro Miranda Marques, Cleriston Teles Sousa e Itucuri Santos Santana, presos em flagrante e autuados por "tentarem assassinar" o Policial militar Edson Gondin Santos, durante manifestação indígena no Congresso Nacional, contra a PEC 215/200; proposta legislativa que propõem transferir do poder Executivo para o Congresso Nacional as competências exclusivas de demarcar e regularizar as Terras Indígenas e Quilombolas.

     Percebemos que ultimamente estão se reproduzindo conhecidas estratégias de perseguições institucionalizadas, baseados em abusos de poder, autoritarismo e brutalidades perpetradas pelo aparelho repressivo do Estado, semelhantes às praticas do regime militar, que num passado recente violentaram, roubaram, e demoliram a vida, e a dignidade de milhares de cidadãos brasileiros que foram injustamente perseguidos, presos, torturados, exilados, assassinados e/ou desaparecidos.

     É inaceitável que em um “Estado Democrático de Direitos” cidadãos indígenas sejam impedidos de forma violenta de exercer o direito de frequentar o Congresso Nacional considerado a “Casa do Povo” que deveria ser Espaço do livre debate, da manifestação de ideias, da fiscalização e controle do Executivo, da aprovação, e do cumprimento das Leis, com a efetiva participação popular.

      Informamos que não abriremos mão de participar, lutar e manifestar em prol da garantia e manutenção de nossos direitos constitucionais e por uma vida digna. Sendo que manifestamos total apoio a decisão Judicial que determinou a soltura de Alexandro Miranda Marques, Cleriston Teles Sousa e Itucuri Santos Santana, que foram detidas de forma injusta, com a finalidade de impedir a manifestação; e rogamos pela anulação e/ou arquivamento definitivo da PEC 215/2000.

                                                    Terra Apinajé, 22 de dezembro de 2014


 Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

Morre a líder e cacique Maria Ireti Almeida Apinajé
       Informamos com profundo pesar e tristeza a todos os parentes (lideranças) indígenas de outros povos do Estado do Tocantins e do Brasil, bem como aos aliados da causa indígena e parceiros ambientalistas e indigenistas, o falecimento de Maria Ireti Almeida Apinagé, ocorrido no último dia 02 de junho de 2017, sexta-feira. O triste fato aconteceu na aldeia Brejinho na Terra Apinajé, onde morava com familiares. As causas ainda não foram totalmente esclarecidas ou determinadas.      Apesar da idade, Maria Ireti Almeida Apinagé, era mulher forte, guerreira e militante incansável da causa indígena. Na condição de mulher indígena, mãe, avó, trabalhadora, conselheira e liderança do povo Apinajé, cumpriu sua missão participando de inúmeras mobilizações e manifestações locais, regionais e nacional em prol da vida dos povos indígenas. Assim Maria Ireti Almeida Apinagé com sua força cultural, sabedoria, simplicidade, conhecimento de causa, s…

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ

NÃO AO GOLPE; NENHUM DIREITO A MENOS!
      Nós caciques e lideranças Apinajé, incluindo jovens estudantes, professores, conselheiros, mulheres e idosos reunidos nos dias 02, 03 e 04 de maio de 2017 na aldeia Prata, T.I. Apinajé no município de Tocantinópolis – TO no Norte de Tocantins, somando mais de 100 pessoas viemos a público manifestar contra qualquer reforma e retrocesso conduzidos pelo governo Michel Temer que estejam comprometendo nossas conquistas e ameaçando nossos direitos sociais, ambientais e territoriais garantidos na Constituição Federal do Brasil.          Consideramos que esse governo, junto com a maioria dos parlamentares do Senado e da Câmara e parte do Judiciário têm atuado de forma agressiva para retirar nossos direitos constitucionais. Nos últimos anos estamos sendo violentamente ignorados e agredidos por setores empresarias e políticos articulados dentro dos três poderes da Republica.         Com a finalidade de roubar nossos territórios, esses parlamentares tent…

AGROECOLOGIA

Articulação Tocantinense de Agroecologia-ATA e Povo Apinajé, define data e local do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia      Durante o 2º Encontro Tocantinense de Agroecologia realizado no Quilombo Malhadinha, surgiu a proposta de realizar o próximo encontro na Terra Indígena Apinajé, localizada no município de Tocantinópolis no Norte de Tocantins. Dessa forma, na última terça-feira, 21 de março de 2017 realizamos na aldeia Brejinho, Reunião da Articulação Tocantinense de Agroecologia - ATA, na qual discutimos as possibilidades e condições do 3º Encontro Tocantinense de Agroecologia ser realizado na T.I. Apinajé.        Após intensa conversa entre as lideranças da Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà, Associação Pyka Mex e representantes da APA-TO, COEQTO, MIQCB, MAB, CIMI e UFT Campus de Tocantinópolis-TO, decidimos que o 3º Encontro Tocantinense de Agro ecologia será mesmo realizado na aldeia Patizal, na T.I. Apinajé, no período de 23 a 26 de novembro de 2017        Selma…