Pular para o conteúdo principal

VERÁS QUE OS FILHOS TEU NÃO FOGEM DA LUTA.


   
Lideranças indígenas na plenária da Câmara dos Deputados, em manifestações contra a  PEC 215. (foto: CIMI. 2013)
    A
s manifestações de ontem à tarde em Brasília (DF) quando mais de 700 lideranças indígenas ocuparam a plenária da Câmara dos Deputados para protestar contra a PEC 215, antes de tudo foi um ato público de cidadania e protagonismo dos povos ali representados. Em alguns momentos da história do Brasil, foi assim, tivemos o Congresso Nacional literalmente ocupado pelas lideranças indígenas de todo o País. E nesse momento não poderia ser diferente.
   Sem dúvida o Congresso Nacional é local mais adequado para nossos cidadãos indígenas se manifestarem e se expressarem, em busca e em defesa de nossos direitos ali mesmo consagrados na Constituição Federal promulgada em 88. Inexplicavelmente as vezes tentam nos impedir de exercer nossa cidadania. Durante as manifestações no dia 16/04/13 o líder indígena Luíz Titiá do povo Pataxó Hã Hã Hãe da Bahia, foi covardemente agredido por seguranças da Câmara dos Deputados.
    Esses protestos das lideranças no Congresso Nacional, são expressões legitimas dos povos indígenas contrários essas PECs e outras medidas que estão sendo discutidas e aprovadas naquela casa legislativa sem a participação de nossos povos. E não houve invasão nenhuma ontem na Câmara dos Deputados, com certeza os únicos invasores dessa história foram os portugueses em 1500 e seus “herdeiros” que continuam usando os mesmos métodos colonialista e violentos para pregar o ódio e promover o extermínio dos últimos povos sobreviventes desses 512 de massacres.
    Contrariando esse “projeto do extermínio”, nossos parentes, bravos guerreiros indígenas, ontem no Congresso Nacional mostraram que não fogem da luta. São lideranças e caciques; idosos, jovens, mulheres e país de famílias, pertencentes a várias etnias de todo o Brasil, que nunca baixaram as cabeças frente as ameaças, a prepotência e a arrogância do poder, não abrindo mão de nossas lutas por melhores condições de vida e dignidade para nossas comunidades.
     Denunciamos as intimidações, ameaças e violências que continuam sendo praticadas deliberadamente contra nossas lideranças indígenas e nossos aliados. No episódio de ontem, o jornalista do Conselho Indigenista Missionário-CIMI, Renato Santana, foi brutalmente agredido por seguranças da Câmara dos Deputados. Repudiamos mais essa violência incompreensível praticada contra os nossas lideranças e parceiros.

Terra Indígena Apinajé, abril de 2013.


Associação União das Aldeias Apinajé- PEMPXÀ.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HIDRELÉTRICAS

HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: CONSTRUINDO DIÁLOGOS, TROCANDO EXPERIÊNCIAS CARTA DOS POVOS INDÍGENAS JURUNA, XERENTE, APINAJÉ  E KAYABIAs violações de direitos indígenas e direitos humanos no processo de construção de usinas hidrelétricas na Amazônia se repetem nas três Bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós



No período de 27 a 29 de junho, mais de 50 lideranças indígenas representantes dos povos Juruna /PA, Kayabi/MT, Xerente e Apinajé/TO, estivemos reunidos na 3ª Oficina realizada pela RBA (Rede Barragens Amazônica), com o tema; “Hidrelétricas e povos indígenas- construindo diálogos, trocando experiências”, que aconteceu na aldeia Paquiçamba, região da Volta Grande do Xingu. Na Oficina debatemos o polêmico e traumático processo de construção de hidrelétricas nos rios da Amazônia e do Cerrado. As lideranças indígenas explicaram sobre o processo antes, durante e após a implantação das obras. Falaram dos conflitos com os empreendedores, das ameaças que estão expostos  e d…

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ

1ª OFICINA DE ARTESANATO E SABERES TRADICIONAIS DO POVO APINAJÉ.


Nos dias 10, 11 e 12 de outubro de 2012, foi realizado na aldeia Patizal terra indígena Apinajé, município de Tocantinópolis-TO, a 1ª Oficina de Artesanato e Saberes Tradicionais do Povo Apinajé. O evento teve a participação 80 pessoas, entre anciões, alunos, mulheres e professores.
       A realização dessa oficina  teve a finalidade  propiciar um espaço social e cultural, onde os mais idosos, que são detentores de conhecimentos e saberes tradicionais, podem estar ensinando e repassando aos mas jovens, alguns conhecimentos e saberes do povo Apinajé.

       Os participantes gostaram da ideia, e pediram que seja realizados mais vezes, (pelo menos uma vez por ano) essas oficinas. Essa primeira edição da oficina de artesanato, foi uma parceria da Associação União das Aldeias Apinajé-PEMPXÀ, com a Supervisão de Educação Indígena do MEC/DRE-Delegacia Regional de Ensino de Tocantinópolis-TO  e da FUNAI/CTL de Tocantinópolis e t…

AGRICULTURA INDÍGENA

As formas de produzir e a agricultura tradicional do povo Apinajé, que habitam na região Norte de Tocantins
A unidade produtiva do povo Apinajé é a família extensa, dessa forma na hora de realizar serviços nos roçados, todos os membros da família (com exceção das crianças pequenas e idosos) participam. Os homens fazem os roçados. Os serviços de plantar, limpar e colher são tarefas predominantemente femininas, mas os homens também ajudam nestes trabalhos.

No final do período chuvoso entre os meses de maio a julho organizamos mutirões para realizar serviços de derrubada do mato. Após algumas semanas o mato seco é queimado para preparação do terreno. Após a queima do mato, os homens munidos de machados, foices e facões realizam os serviços de coivaras, cortando e ajuntando os pedaços de troncos, galhos e folhas remanescentes para serem queimados, assim fica pronto o terreno para o plantio.


O plantio ocorrem no início da estação chuvosa, no período que vai de outubro a dezembro. As próprias …